!@ {o polifônico, [Jornalismo de Intervenção # Por Leonor Bianchi]

Entrevista com o estudante de Produção Cultural do PURO, Aloisio Moraes, selecionado para o Programa Shell Iniciativa Jovem 2012

Posted in Entrevista by ImprensaBR on 14/04/2012

Por Leonor Bianchi

Aluno de Produção Cultural do Polo Universitário de Rio das Ostras, Aloisio Moraes (22) é um dos finalistas de um dos concursos voltados para o setor cultural mais respeitados do Brasil; o Programa Shell Iniciativa Jovem 2012. Este ano o programa completa 10 anos de implementação no Brasil, numa adaptação do projeto internacional Shell LiveWire. Atualmente o programa é operado pelo CIEDS Brasil e tem apoio institucional do Instituto Euvaldo Lodi do Rio de Janeiro (IEL/RJ) e parceria com o SEBRAE/RJ. Ao longo de dez anos foram realizadas 11 turmas e 8923 cadastros de jovens interessados no programa. Foram dados mais de R$ 200 mil em prêmios e um total de 34 empreendimentos premiados. Na 12ª edição, serão chamados para participar do processo seletivo até 300 jovens. O programa tem duração de 12 meses e o resultado final sairá apenas no fim do ano. Contudo, Aloisio comemora a classificação para a segunda etapa do concurso. Depois desta, caso seja aprovado, ele passará por mais três fases no processo de seleção. Às vésperas de finalizar seu projeto de conclusão de curso, o estudante disse que “essa primeira vitória é como se fosse passar no vestibular. Depois, ainda tenho que passar em todas as disciplinas e apresentar monografia para concluir o curso e chegar à formatura”, diz o universtário.

O Polifônico: Ficamos felizes com a notícia que tivemos a respeito de sua conquista no Programa Shell Iniciativa Jovem. Conta para a gente, que concurso é esse?
Aloisio Moraes: O Concurso é o Programa Shell Iniciativa Jovem, que acontece anualmente no Rio de Janeiro como forma de incentivar e auxiliar jovens empreendedores na implementação de seu negócio.
OP: Onde acontece e quantas pessoas concorrem com você?
Aloísio Moraes: Acontece no Rio de Janeiro durante 12 meses. Não sei quantas pessoas concorreram, eles não divulgam o número de inscritos.
OP: Qual a premiação?
Aloísio Moraes: A premiação, caso eu passe por todas as outras etapas, é ter meu negócio implementado, mas na verdade, a participação já é um grande prêmio. A cada etapa os concorrentes tem a oportunidade de elaborar sua ideia junto a consultores muito qualificados, que ajudam a transformar sua ideia em um bom negócio e analisam, junto com o candidato, todas as possibilidades para o mesmo. Esse tipo de consultoria, para criação e implementação de negócios, custa uma fortuna hoje em dia e para quem tem uma boa ideia é quer implementá-la esse prêmio é uma oportunidade incrível.
OP: Você está em qual período no curso de Produção Cultural?
Aloísio Moraes: Estou no 8º período, o último.
OP: O que te fez participar desse concurso?
Já há uns dois anos venho desenvolvendo uma ideia de negócio e é exatamente isso que eu quero fazer da minha vida: abrir uma empresa de consultoria em Produção Cultural e Marketing. Tenho estudado bastante sobre isso, sobre o mercado, sobre todas as possibilidade pois quero desenvolver uma empresa que ofereça serviços de qualidade e projetos que contribuam de fato para população. Hoje existe uma nova onda de empreendedorismo, voltada para negócios sociais, ou seja, negócios que não têm como objetivo o enriquecimento de seu proprietário, mas sim o desenvolvimento da comunidade onde está inserida, de forma sustentável claro. Nós, não somente os jovens, temos que nos preocupar com isso; em fazer a nossa parte para melhorar um pouco o lugar onde vivemos através daquilo que sabemos fazer.
OP: Mais alunos do PURO concorreram também ao concurso?
Aloísio Moraes: Até onde eu sei, não. Entre as pessoas que eu conheço ninguém mais do PURO está participando.
OP: Você veio de onde estudar em Rio das Ostras e por que escolheu a cidade e a UFF?
Aloísio Moraes: Teresópolis. Tenho vínculo com Rio das Ostras desde pequeno; meus avós têm casa na cidade há mais de 30 anos. Sempre passava férias aqui com minha família e amigos e quando vi que tinha uma universidade na cidade com o curso que eu queria fazer, decidi experimentar para ver como era. Confesso que de início foi complicado, não conhecia muita gente, na verdade ninguém além dos meus avós, mas com o tempo fui vendo o quanto nós do PURO podemos contribuir para a melhoria da cidade. O complicado é que muita gente vem para o PURO, termina a graduação e vai embora. Em grande parte isso se dá pela falta de trabalho. É até compreensível, mas eu e um grupo da universidade estamos tentando reverter esse quadro por que conseguimos enxergar na cidade um potencial grande a ser desenvolvido.
OP: Fale um pouco sobre as ações da ‘Arena Jr. Produtora Cultural’.
Aloísio Moraes: Então, na verdade eu faço parte da Arena Jr. Produtora Cultural. Sou idealizador, um dos fundadores e Diretor. Montamos essa empresa por dois motivos: o primeiro é que há, em Rio das Ostras, escassez de lugares e oportunidades para nós, Produtores Culturais ainda em formação, atuarmos. A empresa é para reverter esse quadro e de quebra oferecer serviços de consultoria em Produção Cultural para a sociedade a preços super acessíveis. Empresa Júnior (o que somos) é um tipo de associação civil sem fins lucrativos, vinculada à universidade, gerida por alunos e com auxílio direto de professores. Através da empresa queremos, além de oferecer esse espaço para os alunos aprimorarem suas técnicas e botarem em prática a teoria que aprendem em sala de aula, desenvolver o mercado cultural regional através da oferta de projetos culturais de qualidade e relevância para a população, ideiais que dialoguem mesmo com a comunidade, entende?
Nosso foco não é projeto para atrair turista, mas sim projetos para resgate da história da cidade, para entreter a população local com aquilo que ela gosta de ver e ouvir. Além disso, ofereceremos consultoria para artistas, pessoas e instituições que tenham boas ideias de projeto mas não sabem, ou têm dificuldade para desenvolvê-las.
Até agora, em seis meses de existência da empresa, realizamos dois projetos culturais junto à Tocolândia (Projeto Conexão África-Brasil e Festival de Folclore em Rio das Ostras), além disso participei, como representante da empresa, do Fórum de Políticas de Incentivo à Cultura em Rio das Ostras.
Para este primeiro semestre de 2012 temos muita coisa legal também, alguns projetos para acontecer e, é claro, quem tiver boas ideias de projetos pode nos procurar também. Queremos contribuir sempre!
OP: Sobre os jurados? Quem são? Como é a avaliação?
Aloísio Moraes: O corpo de jurados é formado por profissionais do ramo, empreendedores e parceiros do programa, como o SEBRAE e a FIRJAN.
Eles avaliam, com base nos indicadores do instituo Ethos, primeiramente, o potencial da minha ideia. Se é de fato uma oportunidade real de negócio ou não. Depois, existe uma série de tarefas e análises que serão feitas para desenvolver melhor a ideia, até ser montado um Plano de Negócios. Esse plano de negócios será avaliado pela banca e, se for escolhido, o negócio será implementado e receberá o Selo Iniciativa Jovem de Empreendimento Sustentável.
OP: O que estão avaliando?
Aloísio Moraes: Estão avaliando o quanto minha ideia é realmente possível de acontecer e o quão capaz eu sou de aplicá-la e torná-la sustentável. O programa é como uma capacitação. As melhores ideias são escolhidas para participar e depois são elaboradas junto a profissionais qualificados até se tornarem negócios. Vale a pena se cadastrar no mailing deles, porque volta e meia enviam convites para excelentes palestras e workshops gratuitos.

Anúncios

Comentários desativados em Entrevista com o estudante de Produção Cultural do PURO, Aloisio Moraes, selecionado para o Programa Shell Iniciativa Jovem 2012

%d blogueiros gostam disto: