!@ {o polifônico, [Jornalismo de Intervenção # Por Leonor Bianchi]

MP diz que concurso público de Rio das Ostras, RJ, foi fraudado

Favorecimento de candidatos está entre as irregularidades. Prefeitura tem até 31 de maio para divulgar data do reembolso.

O Ministério Público do estado do Rio de Janeiro acusou Carlos Augusto Carvalho Baltazar, ex-prefeito de Rio das Ostras, e mais cinco pessoas, incluindo o diretor e o presidente da Fundação Trompowsky, de fraudar o sexto concurso público da prefeitura de Rio das Ostras, Região dos Lagos do Rio. Muitas foram as irregularidades apontadas na realização do concurso, entre elas, a falta de segurança, desorganização, plágio de questões de outros concursos, uso de celular durante o exame, desaparecimento de provas e favorecimento de candidatos.

Os promotores de justiça, Luiz Fernando Lemos de Duarte de Amoedo e Rafaela Dominguez Figueiredo Ramos da 1ª e 2ª Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva núcleo Macaé pediram reparação moral coletiva e indisponibilidade dos bens dos envolvidos. Segundo eles, o contrato firmado, sem licitação, entre a prefeitura e a Fundação é irregular, porque nele não constava previsão do valor a ser pago pelos servições prestados. Além disso, a previsão da prefeitura era de um gasto de R$ 160 mil com a Trompowsky, mas foram gastos quase R$ 7 milhões.

O concurso foi anulado no dia 30 de março, através de um acordo entre a prefeitura e o Ministério Público. Dessa forma, o município tem até o dia 31 de maio para divulgar a data do reembolso aos concursados. A partir da data da publicação, o prazo é de 60 dias para devolver o valor da inscrição a todos os candidatos.

O município se comprometeu a realizar um novo concurso até dezembro deste ano. Caso o acordo não seja cumprido, a prefeitura e o prefeito de Rio das Ostras, RJ, podem ser multados em R$10 mil por dia.

Além do ex-prefeito, também são réus da ação Marcelo Chebor da Costa, o então secretário de Administração, e Rosemarie da Silva e Souza Teixeira, secretária de Planejamento. Da Fundação, são réus o presidente Flávio Serra Terra de Faria e o diretor da entidade Antônio Carlos Guelfi.

G1

Comentários desativados em MP diz que concurso público de Rio das Ostras, RJ, foi fraudado

Rio das Ostras: prova de lei orgânica do dia 31 de março é anulada

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras by ImprensaBR on 29/05/2012

Para garantir o tratamento igualitário a todos os candidatos do 6º Concurso Público de Rio das Ostras, a Prefeitura Municipal, acolhendo parecer do procurador Geral do município, Renato Vasconcellos, e de acordo com o Ministério Público, decidiu anular a prova de Lei Orgânica aplicada para todos os 24 cargos na tarde do dia 31 de março. A decisão foi ocasionada após perceber que todas as questões de Lei Orgânica elaboradas pela Fundação Trompowsky foram repetidas do turno da manhã.

Os candidatos terão que fazer uma nova prova de Lei Orgânica. As datas destas provas serão divulgadas até o final da semana no próprio site da Fundação. Os candidatos que tiverem algum prejuízo financeiro poderão requerer ressarcimento junto a Fundação Trompowsky.

A Administração Municipal, por meio de sua Procuradoria Geral, já notificou a fundação organizadora do concurso para que a mesma apresente sua defesa geral sobre os fatos ocorridos e tomará as medidas cabíveis previstas no contrato.

Os gabaritos, resultados parciais e o cronograma oficial do concurso serão divulgados até o final da semana.

Os cargos que tiveram a prova de Lei Orgânica anulada foram:

Nível FUNDAMENTAL INCOMPLETO

Bombeiro Hidráulico, Carpinteiro, Cozinheiro, Eletricista, Pedreiro, Pintor e Serralheiro

Nível médio

Agente de Saneamento, Agente Tributário, Auxiliar de Desenvolvimento Infantil II, Desenhista Projetista, Fiscal de Obras e Posturas II, Fiscal de Meio Ambiente, Fiscal do Procon, Fotógrafo, Instrutor de Informática, Instrutor de Libras, Monitor de Turismo, Oficial de Manutenção Predial, Operador de Áudio, Operador de Iluminação, Orientador Social, Programador e Secretário Escolar

Mais mudanças no concurso público de Rio das Ostras. A prefeitura divulgou no site do município a anulação da prova de lei orgânica do concurso feito no dia 31 de março para o turno da tarde. O motivo é que a prova foi idêntica à aplicada no mesmo dia no turno da manhã. As questões faziam parte do exame para 25 cargos oferecidos.

Agora, os candidatos terão que fazer uma nova prova de lei orgânica. O local e a data ainda não foram divulgados pela prefeitura. No início da tarde desta segunda-feira (28), o procurador do município de Rio das Ostras esteve em uma reunião no Ministério Público e, disse que iria se pronunciar depois desse encontro.

Folha da Manhã

Comentários desativados em Rio das Ostras: prova de lei orgânica do dia 31 de março é anulada

Greve deve atingir as quatro universidades federais no Rio

Professores da UniRio e da UFRRJ já estão parados. Docentes da UFF cruzam os braços nesta terça-feira e UFRJ discutirá assunto

Cecília Rito, do Rio
UnB: docentes iniciam greve por tempo indeterminado
Greve atinge 41 unidades de instituições de ensino superior, como a UnB (na foto). (Wilson Dias / Agência Brasil)

Das quatro universidades federais do Rio de Janeiro, duas estão em greve. Nesta segunda-feira, cursos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio) e da Universidade Federal Rural do Rio (UFRRJ) estavam paralisados. Na terça-feira, a Universidade Federal Fluminense (UFF) também vai aderir ao movimento. Está marcada para as 14h a assembleia geral de greve, seguida por um ato público. No mesmo dia, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) também realizará assembleia para definir se os professores cruzam os braços. Na semana passada, houve uma reunião em que foi aprovado o indicativo de greve. No dia 17, a UFRJ fez paralisação em alguns cursos.

Leia também:
Sobe para 41 o número de unidades federais de ensino superior em greve

Os integrantes do Sindicato dos professores da UFRJ (Adufrj) realizaram assembleias em todos os cursos, com exceção de enfermagem, letras e do Centro de Ciências da Saúde. “Independentemente de aprovar ou não a greve, a indignação é muito grande”, afirma o presidente do sindicato, Mauro Iasi. Os professores reivindicam um plano de reestruturação da carreira e melhores condições de trabalho e infraestrutura.

Um dos problemas das universidades é consequência do Reuni, programa do governo federal que tem por objetivo ampliar o acesso ao ensino superior. Na UFRJ, vieram à tona as deficiências no curso de medicina em Macaé, cidade do Norte Fluminense, onde os alunos sequer contam com um hospital universitário para as aulas práticas. O resultado foi a transferência de 50 estudantes para a campos do Fundão, onde o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho não atende as demandas dos próprios alunos.

Na UFF, alguns cursos abertos em Rio das Ostras, na Região dos Lagos, usam contêineres como sala de aula. A presidente do sindicato dos professores da UFF, Eblin Farage, lembra que faltam laboratórios, recursos para obras iniciadas e técnicos do administrativo. “Não há condições de desenvolver o tripé estudo, pesquisa e extensão. Não é uma discussão exclusiva do professor, mas também do aluno, que fica prejudicado com tudo isso”, afirma Eblin.

A Unirio, a UFFRJ e a UFF trabalham com a ideia de “construção da greve”. Um movimento que deve ganhar adesão do corpo docente com o passar dos dias. Na Rural, o sindicato dos professores da universidade estima que 90% estejam em greve. “Não há notícias de um curso inteiro que não tenha aderido. Existem questões locais, mas observadas em várias universidades, todas ligadas ao programa de extensão (Reuni). Hoje, há problemas em obras iniciadas durante a expansão, falta de docentes e um número pequeno do setor administrativo para dar conta da expansão. Também existem dificuldades estruturais que dizem respeito à infraestrutura instalada, sem serem renovadas ou recuperadas”, explica Alexandre Mendes, professor de direito e integrante do comando local de greve da UFFRJ.

A categoria quer a incorporação das gratificações em 13 níveis remuneratórios (e não os 17 de atualmente), variação de 5% entre níveis a partir do piso para regime de 20 horas correspondente ao salário mínimo de 2.329,35 reais do Dieese e percentuais de acréscimo relativos à titulação e ao regime de trabalho. A reestruturação da carreira, ponto central da greve, começou a ser discutida em 2010, segundo o Andes. O governo federal propôs que as federais não entrassem em greve e ampliassem o prazo de negociação até o dia 31 de março. Como o tempo estabelecido se esgotou sem avanços, os professores prometeram o que já vinham alardeando.

Fonte: Veja

Comentários desativados em Greve deve atingir as quatro universidades federais no Rio

Rede Hortifruti investe em novas lojas ao longo de 2012 – Uma delas será em Rio das Ostras

A rede Hortifruti, varejista no segmento de hortifrutigranjeiros, implementa o seu plano de expansão e abrirá, até dezembro, mais três unidades, duas na praça do Rio de Janeiro (Ipanema e Rio das Ostras) e uma em São Paulo. Atualmente a empresa possui 23 pontos de venda distribuídos nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo.

A Hortifruti registra um fluxo mensal de 1,6 milhão de clientes, que consomem cerca de 15 mil toneladas de frutas, legumes e verduras (FLVs).  Ao todo são quatro centros de distribuição (dois no RJ, um no ES e um em SP) e uma frota de 211 veículos que transportam produtos do campo até as lojas.

O maior percentual de venda é da categoria de FLVs, cerca de 40%, seguido de mercearia e delicatessen; processados e carnes. A  empresa ainda possui um cartão de crédito próprio com mais de 35 mil clientes ativos.

A Hortifruti destinou R$ 6 milhões para a verba de marketing e as campanhas continuarão focadas na saúde e nos benefícios dos FLVs. De acordo com o diretor de Comunicação e Novos Negócios, Fabio Hertel, essas  ações  têm o objetivo de comunicar  de maneira divertida os benefícios dos produtos que são comercializados pela rede.

“Investimos na vida saudável e acreditamos que de maneira leve atingimos pessoas de todas as idades. Queremos influenciar esta geração pra que seja sarada física e emocionalmente”, explicou Hertel.

Fonte: Meta Análise

Comentários desativados em Rede Hortifruti investe em novas lojas ao longo de 2012 – Uma delas será em Rio das Ostras

Policias devem ganhar salário adicional durante a Rio+20

Durante audiência pública nesta quarta-feira (16/05), o coordenador do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis), coronel Odair de Almeida Lopes Junior, afirmou que o primeiro evento em que o Regime Adicional de Serviço (RAS) será utilizado deverá ser a Conferência Rio+20, em junho. “O objetivo é que a Rio+20 seja o primeiro momento em que o RAS passe a vigorar”, declarou o militar, na reunião da Comissão de Bancos de Horas da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), presidida pelo deputado Flávio Bolsonaro (PP). De acordo com Lopes Junior, o Proeis e o RAS permitirão que servidores da segurança pública de folga ou convocados para grandes eventos recebam por horas extras trabalhadas.

Ao término da reunião, Bolsonaro comentou que a informação dada pelo coronel PM “é um grande avanço”. “Mesmo sendo uma medida paliativa, já que o ideal era que o policial não precisasse complementar sua renda mensal, trata-se de um passo a mais”, defendeu o parlamentar. Em execução no estado desde março de 2011, o Proeis é uma medida que permite que os policiais militares possam trabalhar em prefeituras, concessionárias de serviço público e órgãos de administração direta durante seu horário de folga, recebendo gratificação sem prejuízo da escala regular.

Já no RAS, além dos PMs, policiais civis, bombeiros e agentes penitenciários, convocados para situações especiais, também receberiam pelas horas trabalhadas nas folgas. O Proeis já estabeleceu 12 convênios – prefeituras do Rio de Janeiro, Queimados, Macaé, Itaperuna e Niterói, SuperVia, Metrô, Light, Cedae, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Secretaria Estadual de Educação e Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio (Codin) – em que atuam 5.747 policiais. Segundo Lopes Junior, outras cidades, como São João de Meriti, Búzios, Belford Roxo e Rio das Ostras, já estão com o processo em andamento.

Durante apresentação do Proeis para a comissão, o coronel acrescentou que os policias realizam turnos de oito horas e recebem entre R$ 150 e R$ 175. “Eles trabalham fardados, armados, equipados e com as garantias do estado. As viaturas têm identificação do programa e os policiais usam braçais especiais. Estamos quebrando paradigmas, possibilitando ao policial fazer segurança amparado pelo Estado com todos os direitos e deveres”, afirmou o coordenador. Após as explicações sobre os programas, os parlamentares mencionaram que o Proeis e o RAS (que não está em execução ainda) não atingem totalmente a questão das horas extras dos policiais.

O vice-presidente da comissão (que tem o extenso nome de Comissão de Representação para acompanhar a implantação do sistema de banco de horas adicionais de trabalho para os servidores das áreas de segurança pública, defesa civil e administração penitenciária no estado), deputado Jânio Mendes (PDT), citou exemplos de casos que não serão resolvidos pelos programas. “Um PM que é convocado pelo Poder Judiciário em um dia de folga, por exemplo, não recebe hora extra por isso. A mesma situação acontece quando ele ultrapassa sua escala regular para acompanhar uma ocorrência surgida no final do turno”, apontou o pedetista.

Fonte: Jornal do Brasil

Comentários desativados em Policias devem ganhar salário adicional durante a Rio+20

Atrações do festival de Nova Orleans virão ao Brasil

Por Carlos Calado

chuva que caiu no meio da tarde do último domingo (6), pouco antes dos shows de Foo Fighters, David Sanborn, Bonnie Raitt e Rebirth Brass Band, não chegou a prejudicar o encerramento da 43ª edição do New Orleans Jazz & Heritage Festival, um dos maiores eventos musicais do mundo.


A cantora Esperanza Spalding

A produção do evento ainda não divulgou números de público, mas calcula-se que cerca de 500 mil pessoas passaram pelos portões do Fairgrounds, o hipódromo local, durante os dois disputados finais de semana.

Com quase 500 atrações musicais, esse eclético evento é, no fundo, uma combinação de vários festivais. Se decidir acompanhar as atrações de apenas um dos 12 palcos, o frequentador poderá assistir a um festival de jazz moderno ou outro de jazz tradicional, um de blues ou outro de gospel, um de ritmos locais da Louisiana ou outro de música pop e assim por diante.

Em número maior a cada ano, os turistas brasileiros puderam conferir shows que virão ao Brasil neste ano. Como o do saxofonista, cantor e ator Donald Harrison, que mistura jazz moderno, funk e outros ritmos de Nova Orleans, com direito a fantasias típicas do carnaval local. Ele será uma das atrações da 10ª edição do Bourbon Street Fest, em São Paulo e Rio, em agosto.

Outra atração desse festival brasileiro será a Preservation Hall Jazz Band, verdadeira instituição do jazz tradicional de Nova Orleans, que festejou seus 50 anos em três palcos diferentes do Jazz Fest, além de uma exposição de fotos, na área fechada do hipódromo.

Na sexta feira (4), o bem humorado trombonista Delfeayo Marsalis –atração confirmada do Bourbon Festival de Paraty (RJ), em junho– comandou a Uptown Orchestra, uma big band dedicada à tradição dançante do swing, mas que se abre para o jazz moderno, como no saboroso arranjo de “Señor Blues” (de Horace Silver).

Já o veterano saxofonista David Sanborn –escalado para o Festival de Jazz & Blues de Rio das Ostras (RJ), em junho– foi uma boa surpresa, no programa de domingo. Ao lado do organista Joey DeFrancesco, Sanborn exibiu uma excitante sessão de soul-jazz e rhythm & blues, recriando clássicos como “Let the Good Times Roll” e “I’ve Got News for You”, ambos do repertório de Ray Charles (1930-2004).

Escalado como atração princ ipal do palco de jazz, no sábado, o pianista e compositor Herbie Hancock recebeu a difícil missão de disputar a plateia com a veterana banda de rock Eagles. Talvez por isso tenha recorrido a seu repertório eletrificado dos anos 1970 e 1980, incluindo releituras dos hits “Watermelow Man” e “Chameleon”. Em seu quarteto atual, destaca-se a guitarra inventiva do africano Lionel Loueke.

A baixista e cantora Esperanza Spalding também fez uma apresentação bastante concorrida, exibindo o criativo material de seu recém-lançado álbum “Radio Music Society”. Porém, começar um show com 40 minutos de atraso, aparentemente por um problema com o baixo acústico, faz pensar se essa talentosa jazzista já não estaria “se achando” uma pop star.

Dois anos após a estreia da série de TV “Tremé”, que retrata a reconstrução de New Orleans após a tragédia desencadeada pelo furacão Katrina (em 2005), já é evidente seu impacto sobre a cena local. Músicos que participaram de seus capítulos, como Trombone Shorty, Kermit Ruffins, Donald Harrison e John Boutté, estão atraindo o interesse de plateias imensas que eles não tinham antes. É o chamado “efeito Tremé”.

Fonte: Agência de Notícias jornal de Floripa

O jornalista Carlos Calado hospedou-se em Nova Orleans a convite do New Orleans Convention & Visitors Bureau

Comentários desativados em Atrações do festival de Nova Orleans virão ao Brasil

Professor defende investimentos em agroecologia como alternativa ao uso de agrotóxicos

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras by ImprensaBR on 27/04/2012

Rio de Janeiro – O Brasil pode deixar de ser o maior consumidor mundial de agrotóxicos e se tornar o maior produtor de alimentos saudáveis. Para que o país viva uma “verdadeira revolução ecológica” é preciso investir no desenvolvimento da agroecologia, destaca o professor Fernando Ferreira Carneiro, chefe do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB). Ele é um dos responsáveis pelo dossiê que será lançado hoje (27) durante o Congresso Mundial de Nutrição, no Rio de Janeiro, reunindo diversos estudos sobre os riscos do uso do agrotóxico no país.

O documento também será apresentado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), marcada para junho, no Rio de Janeiro.

“Há alternativas para alimentar o mundo sem agrotóxicos e a agroecologia é o caminho que pode gerar um novo modo de vida. O Brasil vive uma situação muito crítica, com o uso descontrolado de agrotóxico no campo. Mas é possível mudar essa condição com investimento e apoio à política estratégica da agroecologia”, destacou.

O professor explicou que a agroecologia é baseada em práticas sustentáveis, que envolvem o manejo ecológico dos recursos naturais e formas de ação coletiva desde a produção até a circulação dos produtos.

“O setor da agricultura camponesa e familiar, que é responsável por abastecer 70% da mesa do brasileiro, não conta com os mesmos incentivos que o agronegócio no Brasil”, lamentou.

O presidente da Associação Brasileira de Orgânicos (Brasilbio), José Alexandre Ribeiro, defende o resgate e o desenvolvimento de tecnologias que respeitem a biodiversidade local como forma de garantir a sustentabilidade das lavouras, além da qualidade dos alimentos consumidos pelos brasileiros.

“O uso de agrotóxicos, além de contaminar os alimentos, está destruindo a nossa biodiversidade. O produtor rural precisa entender que a erva daninha pode não ser prejudicial, mas algo que nasce para beneficiar o solo; entender que a terra tem sua biodiversidade que contribui para a produção, ajuda a planta a se alimentar e a produzir um alimento saudável. Temos que resgatar e desenvolver tecnologias baseadas nessa cultura”, defendeu.

Um exemplo de agricultura sustentável que vem dando bons resultados é o plantio do chamado “feijão maravilha”, em Rio das Ostras, cidade da Região dos Lagos fluminense. Por meio do Programa de Incentivo ao Plantio, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca, cerca de 70 produtores rurais, utilizando grãos de qualidade e sem aplicar nenhum tipo de agrotóxico, têm conseguido aumentar a produtividade e a renda familiar.

Criado em 2005, o programa oferece aos agricultores o maquinário necessário para preparar o solo, além das sementes, do adubo e da assistência técnica. Ao produtor cabe a responsabilidade pelos cuidados com a lavoura. De acordo com a secretaria, em 2011 foram plantados 84 hectares e a produtividade chegou a 1.250 quilos por hectare (kg/ha), mais do que o dobro da média do estado, em torno de 600 kg/ha.

A agricultora Ziena Rodrigues, de 75 anos, que participa do programa desde o início, disse que a experiência local é a prova de que é possível “produzir sem veneno”. “A gente tem apoio na aração, na plantação e na venda. É possível plantar sem essas químicas, porque aqui dá muito feijão e ninguém bota veneno de espécie nenhuma.”

Ela explicou que é preciso “carinho com a terra e respeito ao seu tempo” para garantir a colheita. “Temos que capinar no tempo certo, plantar no tempo certo e esperar a colheita secar bem. A dica é fazer ao controle da capina, capinar bem e na hora certa”, contou, acrescentando que sua produção aumentou 100% desde que entrou para o projeto.

“Hoje, eu planto um quadrado pequeno de meio hectare e costuma dar uma tonelada de feijão, o que é muito bom. Este ano plantei 1,5 hectare e estou esperando colher 4 toneladas”, disse.

Para estimular as pesquisas, a produção e o uso de defensivos agrícolas de origem natural em substituição ao agrotóxico sintético, a senadora Ana Rita (PT-ES) propôs a criação da Política Nacional de Apoio ao Agrotóxico Natural. O objetivo é desenvolver novas tecnologias de baixo custo para o produtor rural, aumentar a produção agrícola livre de defensivos agrícolas e reduzir a contaminação do meio ambiente. Ela propõe que as pesquisas sejam financiadas com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e do Fundo Nacional de Meio Ambiente.

A política também prevê a liberação de linhas de crédito com taxas de juros menores para os agricultores que comprovarem utilizar agrotóxicos naturais.

Segundo a senadora, o projeto está na Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal. Se aprovada, a matéria tramitará nas comissões de Ciência e Tecnologia e de Agricultura e Reforma Agrária, antes de ir para a discussão em plenário.


Fonte: Repórter da Agência Brasil

Texto de Thais Leitão

Edição: Juliana Andrade

Comentários desativados em Professor defende investimentos em agroecologia como alternativa ao uso de agrotóxicos

Tufão dará R$ 250 mil para Carminha reformar casa de Rio das Ostras

Posted in Cidade, Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras by ImprensaBR on 27/04/2012

Inédito! Encontrei esta ‘notícia’ falando de Rio das Ostras no clipping desta manhã!!!!

Além de permanecer na mídia televisiva global, ainda por cima Rio das Ostras consegue se superar em mau merchandising. Até uma reforminha na casa da personagem Carminha da novela das 8 (20h) é superfaturada!!!!

“Depois de ser sequestrada em “Avenida Brasil” (Globo), Carminha (Adriana Esteves) receberá uma bolada de Tufão (Murilo Benício) e dará uma parte para seu amante.

Sensibilizado com tudo o que aconteceu, o ex-jogador de futebol resolve ser bem generoso com a mulher e procura fazer todas as suas vontades. Uma delas é lhe dar R$ 250 mil para a reforma que Carminha tanto queria fazer na casa de Rio das Ostras.

Radiante com a grana, a madrasta de Jorginho (Cauã Reymond) decide presentear seu cúmplice Max (Marcello Novaes) com R$ 20 mil sem dizer, porém, quanto realmente ganhou do marido.

Carminha ainda comprará um colar para Max dar à Ivana (Letícia Isnard) e aconselhará o amante a dizer que fechou um bom negócio para justificar o dinheiro.

Surpreso com a generosidade da mulher de Tufão, Max pedirá mais grana para sua cúmplice, que dirá que não tem mais. Mas, para o azar da loira, Ivana contará para o marido que seu irmão deu muito dinheiro à Carminha e o clima fica feio entre os dois amantes”.

http://www.aquidauananews.com/0,0,00,3497-198073-AVENIDA+BRASIL+APOS+SEQUESTRO+TUFAO+DA+DINHEIRO+PARA+CARMINHA.htm

Comentários desativados em Tufão dará R$ 250 mil para Carminha reformar casa de Rio das Ostras

Festival de Rio das Ostras é o melhor da América Latina

Realizado anualmente na cidade de Rio das Ostras, Festival de Jazz e Blues é considerado o melhor da América Latina pela revista referência Downbeat

por Ernesto Neves | 24 de Abril de 2012

Um dos mais importantes eventos do calendário cultural fluminense, o Festival de Jazz e Blues de Rio das Ostras foi considerado o melhor do gênero em toda a América Latina, de acordo com a edição de maio da revista Downbeat, referência musical. Realizado há 10 anos no balneário, o evento terá esse ano 29 atrações gratuitas, que vão se apresentar durante cinco dias. Pelos quatro palcos espalhados pela cidade subirão nomes como Mike Stern, Celso Blues Boy e David Sanborn. Veja abaixo a programação completa do festival.

6 DE JUNHO (QUARTA)

Palco Costazul

20h – Orquestra Kuarup
Big Band 190
Hélio Delmiro
Celso Blues Boy

7 DE JUNHO (QUARTA)

Palco Iriry

14h15 – Celso Blues Boy

Palco Tartaruga

17h15 – Mike Stern, Romero Lubambo

Palco Costazul

20h – Plataforma C

Maurício Einhorn

Kenny Barron

Michael Hill

DIA 8 DE JUNHO (SEXTA)

Praça São Pedro

11h30 – Big Bat Blues Band

Palco Iriry

14h15 – Roy Rogers

Palco Tartaruga

17h15 – David Sandborn

Palco Costazul

20h – Armand Sabbal-Lecco

Duke Robillard

Mike Stern, Romero Lubambo

Big Time Orchestra

DIA 9 DE JUNHO (SÁBADO)

Praça São Pedro

11h30 – Artur Menezes

Palco Iriry

14h15 – Michael Hill

Palco Tartaruga

17h15 – Armand Sabbal-Lecco

Palco Costazul

20h – Cama de gato

Billy Cobham

David Sanborn

Roy Rogers

DIA 10 DE JUNHO (DOMINGO)

Praça São Pedro

11h30 – Fabiano Costa

Palco Iriry

14h15 – Duke Robillard

Palco Tartaruga

17h15 – Billy Cobham

Fonte: Revista Veja Rio

Comentários desativados em Festival de Rio das Ostras é o melhor da América Latina

Operação contra o tráfico e corrupção detém 14 suspeitos

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras by ImprensaBR on 12/04/2012

 Traficantes constituíram uma aliança com uma facção que age em São Paulo

Subiu para 14 o número de pessoas detidas durante a operação deflagrada na manhã desta quarta-feira contra suspeitos de associação para o tráfico de drogas e corrupção ativa no Rio e em São Paulo. Entre os detidos há 12 adultos e dois adolescentes.

Segundo o Ministério Público do Rio, todas as prisões contabilizadas até o momento ocorreram no Rio. Ainda não há um balanço das pessoas presas em São Paulo.

Ao todo, foram expedidos 19 mandados de prisão temporária e 20 de busca e apreensão, que deverão ser cumpridos nos municípios do Rio, Duque de Caxias, Teresópolis, Araruama, Rio das Ostras e em São Paulo.

A operação foi deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público do Estado do Rio e a CI (Coordenadoria de Inteligência) da Polícia Militar.

Na região serrana, cerca de 50 policiais do 30º Batalhão da PM realizam uma incursão na favela da Coreia, com o auxílio de cães farejadores. Eles buscam por traficantes que migraram da favela do Mandela, no Complexo da Maré. Um dos chefes do tráfico local, conhecido pelo apelido de Bin Laden, está entre os presos. Foi apreendida grande quantidade de maconha e cocaína na região.

As investigações, segundo o Gaeco, começaram em novembro do ano passado, em Teresópolis, após traficantes tentarem subornar PMs para que o tráfico na região não fosse reprimido. Os policiais levaram o caso ao Ministério Público. Os investigadores concluíram que a favela Mandela é um dos principais pontos de distribuição de drogas para diferentes bairros e municípios do Rio de Janeiro.

A investigação demonstrou que em razão da implementação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) e a prisão de muitos integrantes de facções criminosas, traficantes constituíram uma aliança com uma facção que age em São Paulo, de onde passaram a trazer parte do material entorpecente, afirmou em nota o Ministério Público.

Desde o início da manhã, cerca de 500 policiais militares do Bope (Batalhão de Operações Especiais), do Batalhão de Choque, da Coordenadoria de Inteligência, do Grupamento Aéreo e Marítimo, do Batalhão de Ações com Cães e do 30º Batalhão da PM participam das buscas pelos suspeitos, com o apoio dos promotores do Gaeco.

Folha online em 11/04/2012

Comentários desativados em Operação contra o tráfico e corrupção detém 14 suspeitos

Morador de Rio das Ostras participa de campanha em favor da permanência do jogador argentino Walter Montillo no Cruzeiro

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras, Esporte by ImprensaBR on 05/04/2012

Objeto de desejo, camisa de Montillo dificilmente é encontrada longe de BH

Ação de marketing do Cruzeiro para manter o craque ainda não emplacou

Jogada de marketing da nova diretoria do Cruzeiro, a camisa personalizada do argentino Walter Montillo tem sido vendida nas lojas para ajudar a manter o atleta na Toca da Raposa. Porém, os torcedores que moram longe de Belo Horizonte têm tido dificuldade para encontrar o objeto desejado.

É o caso do engenheiro Daniel Vecchia, de 24 anos, que mora em Imperatriz, interior do Maranhão. Mesmo distante de Minas, ele é sócio do futebol desde 2007 e compra camisas oficiais do Cruzeiro anualmente. No Nordeste desde outubro do ano passado, o torcedor tentou de todas as formas comprar o modelo atual com o nome de Montillo às costas, mas ainda não obteve sucesso.

”Este ano, para apoiar a atitude honrosa do presidente Gilvan de manter o Montillo e bater de frente com dirigentes e a imprensa do eixo Rio-São Paulo, queria abraçar essa causa. Queria contribuir de alguma forma, mas não consigo comprar a camisa do Montillo nem pela internet nem em lojas da cidade. Pretendo também, ainda este ano, comprar a branca, com o nome do Wallyson”, explicou o torcedor.

O mesmo aconteceu com o Tecnólogo em Redes Roberto Castro Filho. Ele mora em Rio das Ostras, Rio de Janeiro, e não encontrou a camisa personalizada de Montillo. “Acabei comprando a camisa comum mesmo, na pré-venda da internet, pois não tinha a opção do nome do Montillo”.

O caso do publicitário Alisson Guimarães, de 27 anos, é ainda mais complicado. Ele mora em Formiga, a somente 200 km da capital, e não encontrou a camisa de Montillo nem na internet nem nas lojas de esporte da cidade. O torcedor aguarda a oportunidade de adquirir o item.

“Pretendo comprar ainda. Primeiro porque o modelo da camisa ficou legal, apesar da aversão à logomarca do patrocinador. Segundo porque, a camisa agradando, é importante o torcedor ter consciência que, comprando a do Montillo, ele estará ajudando a manter o jogador no time, uma prática que não costuma ser adotada no Cruzeiro e que pode ser um novo caminho para deixar de vender seus principais jogadores”, explicou.

Mulheres não conseguem nem em BH

As torcedoras cruzeirenses que querem adquirir a camisa de Montillo também encontram dificuldade para comprar o item. Nesse caso, até mesmo as lojas de BH estão em falta com o produto. OSuperesportes apurou que o modelo na cor azul ainda não chegou às lojas da capital. A torcedora que quiser prestigiar o craque argentino, portanto, deverá comprar o uniforme branco.

”Gostei muito da camisa nova e gostaria de comprar, mas ainda não encontrei o modelo azul em nenhuma loja”, ratifica a profissional de relações públicas Mariana Gomes, de 25 anos.

Olympikus não vê problema de distribuição

Procurado pela reportagem, o diretor de marketing do Cruzeiro, Marcone Barbosa, transmitiu a versão da Olympikus a respeito dessa situação. Segundo o dirigente, as camisas chegam ao mercado de acordo com a demanda de compra dos revendedores e, por enquanto, não foi detectado problema de distribuição.

”Cada revendedor compra o que tem giro. Se por ventura o torcedor não encontra no mercado eletrônico ou em lojas, é porque o produto esgotou ou não houve demanda. A Olympikus nos informou que a fábrica e o abastecimento estão normais, a camisa está à venda na grade de pedidos dos representantes”, explicou Marcone.

”No caso das camisas femininas, a venda realmente demorou um pouco mais para ocorrer e essa situação estará normalizada a partida da próxima semana, quando também terá início a comercialização dos itens de moda casual da nova coleção”, completou.

Fonte: Superesportes

Comentários desativados em Morador de Rio das Ostras participa de campanha em favor da permanência do jogador argentino Walter Montillo no Cruzeiro

Rio das Ostras na lista das cidades que registraram morte por Dengue

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras, Esporte, Saúde by ImprensaBR on 05/04/2012

Dengue: números apontam epidemia em Niterói, SG, Itaboraí e Maricá

Em Maricá, governo nega e tenta mascarar problema

Os números de casos suspeitos de dengue aumentam, semanalmente, na Região Leste Fluminense. As autoridades ainda não falam em epidemia para as cidades de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá, mas os números apontam para esse quadro na maioria delas. As cidades juntas registram 5.672 casos suspeitos de dengue acumulados entre o início do ano e na última quarta-feira e seis mortes pela doença confirmadas, cinco em São Gonçalo e uma em Maricá. E, quando calculada a taxa de incidência, utilizando a relação do número de casos suspeitos da doença com o número da população, o resultado coloca na classificação de epidemia Niterói, Itaboraí e Maricá.

O Ministério da Saúde classifica como epidemia quando a taxa de incidência em uma cidade passa de 300 casos de suspeita da doença por 100 mil habitantes. A cidade de Niterói está com a taxa de incidência de 337 casos suspeitos notificados por 100 mil habitantes, considerando dados do último levantamento da Secretaria Estadual de Saúde. O que já pode ser considerado um caso de epidemia.
Em pior situação está Itaboraí e Maricá, ambas apresentam uma taxa de incidência muito alta, 646 e 542, respectivamente. São Gonçalo, apesar de ter o maior número acumulado do ano de casos suspeitos de dengue, 1924 notificações, tem uma taxa de incidência moderada, de 192 casos por 100 mil habitantes, por causa da grande população (999.900 habitantes).
O infectologista Edmilson Migowski, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), diz que, apesar de as cidades só terem atingido este número de casos agora, elas já devem estar vivendo o quadro de epidemia há algumas semanas.
“Historicamente, apenas 10% de casos de doença são notificados. Se levarmos em consideração que os casos leves de dengue não são notificados e apenas um terço da população apresenta sintomas que permitem que o médico diagnostique a doença, este número divulgado corresponde a 30 vezes menor que o número real”, diz Migowski.
O especialista acredita que a subnotificação ocorre por falta de um sistema informatizado e médicos muito atarefados que não possuem tempo para fazer a notificação. Para ele, os números de 2011 assustam.
“Este ano é diferente, além do número alto de contaminação, foi registrado no país um novo tipo da doença, o tipo 4, e a existência de uma população vulnerável, que já foi previamente exposta aos outros tipos, pode criar um caso de letalidade maior do que visto antes”, explica o infectologista.
A Secretaria estadual de Saúde não considera que as cidades da Região Leste Fluminense estejam em situação de epidemia. O motivo é que os critérios para avaliar um quadro de epidemia no Estado, vão além da relação número de casos e população, considerando também itens como a série histórica de casos notificados e se a curva de incidência se sustenta ao longo do tempo. Ainda de acordo com a secretaria, neste momento, Maricá, Niterói, São Gonçalo e Itaboraí não estão com epidemia e nem correm o risco de estar nessa situação.
Critérios diferentes
No final de março, a Prefeitura do Rio alterou seus critérios para definir a taxa de incidência de epidemia da dengue. Antes do novo método, 14 bairros estavam sob alerta de surto, com a mudança todos os bairros saíram desta condição. A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro acrescentou o item de tendência ininterrupta de alta dos casos nas últimas cinco semanas, descaracterizando a situação de epidemia nos bairros da cidade. Atualmente a cidade do Rio de Janeiro tem 21.915 casos suspeitos notificados.
O critério da Organização Mundial da Saúde, seguido pelo Ministério da Saúde (MS), considera que existe epidemia quando há mais de 300 casos por 100 mil habitantes. O MS informou que os Estados e municípios têm autonomia para definir suas metodologias, desde que informe o número de casos suspeitos notificados.
No Estado são 56.882 casos suspeitos notificados e 39 mortes confirmadas. O maior número de casos está na capital: 13. Foram registradas ainda mortes em São Gonçalo (cinco), São João do Meriti (quatro), Nova Iguaçu e Duque de Caxias (três cada um), Magé e Mesquita (duas). Cabo Frio, Maricá, São José do Vale do Rio Preto, Bom Jesus de Itabapoana, Itaocara, Itaperuna e Rio das Ostras tiveram as outras ocorrências.

Fonte: Maricá Info

Comentários desativados em Rio das Ostras na lista das cidades que registraram morte por Dengue

Mulher que integrava quadrilha suspeita de desviar mais de US$ 16 milhões do INSS tinha casas em Rio das Ostras

Posted in Clipping: O que sai na mídia sobre Rio das Ostras by ImprensaBR on 04/04/2012

Preso suspeito de integrar quadrilha de fraude milionária no INSS, diz PF

Suspeito havia sido condenado por peculato e formação de quadrilha

Um homem suspeito de ser integrante da quadrilha de Jorgina de Freitas, que praticava fraudes no INSS, foi preso em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. De acordo com a Polícia Federal, ele é ex-procurador chefe do INSS de Nova Iguaçu foi encontrado, na quinta-feira (29), em sua casa, também em Nova Iguaçu, e levado para o Presídio Ari Franco, em Água Santa, no subúrbio do Rio.

 

O suspeito, de 82 anos, foi condenado a 11 anos de prisão em 1997 por peculato e formação de quadrilha, e estava foragido. Segundo a polícia, ele pertencia à mesma quadrilha de Jorgina de Freitas, que foi condenada em julho de 1992, pelo Tribunal de Justiça do Rio, a 14 anos de prisão, em regime inicialmente fechado. A quadrilha é suspeita de desviar mais de US$ 16 milhões do INSS, o equivalente a R$ 29,1 milhões.

Jorgina Freitas ficou foragida até 1997, quando foi encontrada na Costa Rica e extraditada no ano seguinte para o Brasil. A advogada foi presa em fevereiro de 1998. Em junho de 2010, uma sentença declarou extinta a pena privativa de liberdade de Jorgina pelo seu integral cumprimento. O alvará de soltura foi expedido no mesmo mês e Jorgina conseguiu a liberdade.

De acordo com os autos, a fraudadora adquiriu cerca de 60 imóveis em Curitiba, Minas Gerais, Búzios, Rio das Ostras, Cabo Frio, Nova Iguaçu, Petrópolis e Volta Redonda. Na capital, há apartamentos no Leblon, Zona Sul, terrenos na Barra da Tijuca, e imóveis em Jacarepaguá, Zona Oeste, Andaraí, Zona Norte, e na Rua Uruguaiana, no Centro da cidade. Os demais imóveis serão leiloados em lotes, após reavaliação.

Fonte: G1

Comentários desativados em Mulher que integrava quadrilha suspeita de desviar mais de US$ 16 milhões do INSS tinha casas em Rio das Ostras

%d blogueiros gostam disto: