!@ {o polifônico, [Jornalismo de Intervenção # Por Leonor Bianchi]

Prefeito e vereadores eleitos em Rio das Ostras são diplomados

Posted in Brasil, Cidade, Editorial, Eleições 2012, Estado, Macaé, Notas, Política, Rio das Ostras by ImprensaBR on 19/12/2012

O Polifônico tem mudado paulatinamente seu viés editorial de política para cultura, arte, educação e meio ambiente. Ainda assim, interessa-nos registrar momentos importantes da vida política de Rio das Ostras, nossa principal praça (hoje) de atuação. Por isso, só por isso, posto agora algumas imagens do dia de ontem em Rio das Ostras… a diplomação do prefeito eleito para a gestão 2013 – 2016, Alcebíades Sabino, dos vereadores e suplentes que legislarão no período.

Não farei análise dos fatos, por hora, vou deixar os fatos falarem por si.

Gravei um vídeo, editei, mas nada dessas plataformas online aceitarem um curta em HD de 20 minutos. Demora muito e preciso ir à outra diplomação hoje, a do prefeito eleito em Macaé, Aluizio.

Sobre a diplomação de Sabino, vi sim a Câmara lotada como vi ontem em uma única ocasião nesses nove anos de imprensa local; em 2006 quando Cabral esteve em Rio das Ostras para a assinatura da primeira parceria público privada do Brasil para a área de saneamento básico. Esse mesmo povo que marcou presença ontem na diplomação dos próximos administradores, legisladores, gestores de Rio das Ostras, serão os mesmos a exigir que a cidade funcione nos próximos anos. Bem, assim espero…

diplomação sabino 019

diplomação sabino 001

rio macae diplomação sabino 037

rio macae diplomação sabino 039

Comentários desativados em Prefeito e vereadores eleitos em Rio das Ostras são diplomados

Búzios elege Dr. André com 48,55% dos votos válidos

Posted in Eleições 2012, Região by ImprensaBR on 07/10/2012

Com 21.953 eleitores, 9.011 votaram em Dr. André, que é o novo prefeito da cidade.

Comentários desativados em Búzios elege Dr. André com 48,55% dos votos válidos

Sabino é eleito prefeito de Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

Com cerca de 88,89% dos votos apurados, Sabino (PSC) já pode ser considerado o prefeito de Rio das Ostras a partir de 1 de janeiro de 2013, com 36.894 votos, (76,10%).

Comentários desativados em Sabino é eleito prefeito de Rio das Ostras

Otávio Carneiro é o novo prefeito de Quissamã

Posted in Eleições 2012, Região by ImprensaBR on 07/10/2012

Otávio Carneiro (PP), coligação PR PRB PPL PPS PRTB PSB PV PRP PTdo B e PTC –  teve 60% dos votos válidos apurados em Quissamã, conquistaanto 8801 votos (60,48%) e é o novo prefeito de Quissamã.

Fátima (PT) teve 39% dos votos.

Quissamã tem 16.546 eleitores. Houve 1.401 abstenções, 91 % de comparecimento ás urnas, 142 votos em branco, 750 nulos, gerando 96,9% de votos válidos, u seja, 14.553 de votos válidos.

Comentários desativados em Otávio Carneiro é o novo prefeito de Quissamã

Metade das urnas já foram apuradas em Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

A apuração segue rápida em Rio das Ostras: 50% das urnas já abertas, totalizando 29.353 votos apurados.

Sabino aparece com 20.333 votos (74%), Zezinho Salvador com 6.083, Elisangela Broder, com 339, Lena com 278 e Dr. Castro com 206 votos.

 

Comentários desativados em Metade das urnas já foram apuradas em Rio das Ostras

Psol na apuração das primeiras 64 urnas apuradas em Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

O candidato do Psol Professor Jonathan está em quinquagésimo lugar na apuração das urnas até agora, com 72 votos das 64 urnas apuradas em Rio das Ostras até o momento. Ele é o primeiro colocado de sua legenda neste instante. Em segundo lugar na legenda vem Tieu, 85 colocado, com 29 votos (0,20% do votos apurados). Em terceiro na legenda vem Carlos Elias, co 11 votso, em quinto, Mel Marquer, com 5 votos, Bubas, com 2 votos.

Comentários desativados em Psol na apuração das primeiras 64 urnas apuradas em Rio das Ostras

Apuração dos votos para vereadores segue ágil em Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

A apuração dos votos município de Rio das Ostras segue adiantada e bastante ágil. Acompanhando o site do TSE vemos o candidato Derlan (coligação PSC PCdoB) com 269 votos, em segundo lugar vemos Marco Ribeiro (PRB PSDB PPL) com 36 votos, em terceiro, nome antigo na Câmara riostrense, Carlos Afonso (PSB PMN PTC PSD) com 31 votos.

Comentários desativados em Apuração dos votos para vereadores segue ágil em Rio das Ostras

Em Rio das Ostras cinco urnas já foram apuradas

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

Leonor Bianchi

Resultados do TSE apontam o candidato Sabino, do PSC, com 75,81 % dos votos, Zezinho Salvador (PSDC) com 20,37%, Dr. Castro (PR) com 1,32%, Lena (Psol) também com 1,32 % e Elisangela Broder com 1,18 (PTN).

Foram apuradas cinco urnas do total de 184. Rio das Ostras tem 71.538 eleitores.

Dos 1801 votos apurados, 3 foram em branco, 60 nulos, 345 abstenções, fazendo com que deste universo de 1901 votos apurados, apenas 1456 são válidos. Foram todos votos nominais, nenhum foi voto para a legenda.

http://divulga.tse.jus.br/oficial/index.html

 

 

 

Comentários desativados em Em Rio das Ostras cinco urnas já foram apuradas

Cineclube Cinemofônico deste domingo de eleições apresenta: Vocação do Poder, de Eduardo Escorel e José Joffily

Posted in Cidade, Cineclube Cinemofônico, Eleições 2012 by ImprensaBR on 07/10/2012

O documentário Vocação do Poder, de Eduardo Escorel e José Joffily, é uma espécie de Big Brother Brasil misturado com horário político.

O filme, rodado no Rio de Janeiro durante as eleições municipais de 2004, acompanha o dia-a-dia de seis candidatos a vereador de primeira viagem, desde as convenções partidárias até a apuração das urnas e o resultado das eleições.

O resultado é um interessante painel político e sociológico – e mesmo psicológico – do Brasil. Claro que não é possível tomar essa amostra como um todo. Mas no universo delimitado pelos cineastas, Vocação do Poder faz uma leitura às vezes perturbadora do processo político nacional.

São seis candidatos às vagas de vereador da cidade, todos concorrendo pela primeira vez. Antonio Pedro é um empresário que já teve cargos públicos. Carlo Caiado, estudante de administração, começou na política como assessor de um deputado estadual. André Luiz Filho é filho de uma deputada estadual e de um ex-deputado federal, cujo mandato foi cassado depois que o filme já estava pronto.

Já a pastora Márcia Teixeira busca seus votos entre os membros de seu Projeto Vida Nova, que tem mais de 50 igrejas no Brasil e exterior. MC Geléia é compositor de rap e produtor musical que tenta conquistar seus eleitores na periferia. E, por fim, o advogado e professor universitário Felipe Santa Cruz, que atuou por muitos anos na política estudantil.

Os seis personagens do filme foram selecionados por meio de uma pesquisa na Internet, na qual os interessados em participar do documentário responderam perguntas sobre orientação política, partidária e condições da campanha.

Com cerca de 70 questionários respondidos, os cineastas buscaram selecionar pessoas de diferentes partidos e áreas de atuação na cidade.

Vocação do Poder acompanha o trabalho dos candidatos selecionados, como suas táticas de abordagem aos eleitores na rua, seus programas de TV e sua vida social e familiar.

Os documentaristas buscam a maior imparcialidade possível para compor um retrato de quem são e como agem os candidatos. Assim, também mapeiam a condição socioeconômica do Rio. Os candidatos praticamente nunca se encontram em cena e a platéia tem o privilégio de observar várias facetas do jogo político.

Um exemplo disso é a oposição quase completa que existe nas campanhas de André Luiz e MC Geléia. O primeiro, vindo de uma família que tem tradição na política e verba para campanha, é capaz de fazer uma megacarreata, encher a cidade de cartazes e outdoors.

Enquanto isso, o outro candidato raramente tem chance de ir além do corpo-a-corpo com o eleitor na região onde mora. O resultado disso se mostra claramente nas urnas.

Texto: Terra

Comentários desativados em Cineclube Cinemofônico deste domingo de eleições apresenta: Vocação do Poder, de Eduardo Escorel e José Joffily

Irregularidades marcaram campanha eleitoral em Rio das Ostras

Posted in Cidade, Editorial, Eleições 2012, Notas, Política, TV O Polifônico by ImprensaBR on 03/10/2012

Chegamos na reta final da campanha eleitoral no município de Rio das Ostras e o que vimos foi uma campanha rasa, feia, suja e completamente irregular. TODOS os candidatos ao cargo de prefeito largaram suas placas nas ruas da cidade em plena luz do dia. Candidatos ao Legislativo também incidiram na irregularidade e abandonaram seus materiais de campanha por aí…

 

Comentários desativados em Irregularidades marcaram campanha eleitoral em Rio das Ostras

O Polifônico debate a gestão cultural em Rio das Ostras para os próximos 8 anos. Faça seu vídeo e envie para nós. Queremos saber que política cultural você quer para Rio das Ostras.

Comentários desativados em O Polifônico debate a gestão cultural em Rio das Ostras para os próximos 8 anos. Faça seu vídeo e envie para nós. Queremos saber que política cultural você quer para Rio das Ostras.

Você sabe o que é e como é calculado o quociente eleitoral?

Posted in Cidadania, Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 10/09/2012

Eleitor, é importante que você conheça um elemento importantíssimo no processo de contagem de votos durante as eleições chamado de ‘Quociente Eleitoral’. Em função deste mecanismo, nem sempre seu voto elege o candidato em quem você.

Para conhecer como funciona sistema de quociente eleitoral, postamos algumas informações valiosas para que você e não desperdice seu precioso voto no próximo dia 7.

Comentários desativados em Você sabe o que é e como é calculado o quociente eleitoral?

Rápida entrevista com candidatos à Prefeitura de Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012, Observatório da Imprensa Local by ImprensaBR on 06/09/2012

Os candidatos ao governo municipal de Rio das Ostras parecem se esconder dos eleitores. Timidamente aparecem algumas fotos de caminhadas vazias nas ruas de alguns bairros mais populosos na rede social Facebook, mas o eleitor não curte, tampouco compartilha. Nas ruas, muitas placas na região central da cidade, mas nada como já se viu em eleições anteriores em Rio das Ostras.

Hoje, a um mês das eleições, ainda há muita gente sem um candidato, e muita gente sem saber quem são os candidatos à Prefeitura de Rio das Ostras.

Por mais que os candidatos que aí estão não representem uma mudança real para a gestão de Rio das Ostras, é preciso definir o voto.

O Observatório da Imprensa Local aproveita a ocasião oportuna e divulga as entrevistas televisionadas hoje pelo SBT Cidade. Não se trata exatamente de uma entrevista, mas cada candidato respondeu duas perguntas feitas por duas moradores da cidade.

Essa rápida entrevista não dá clareza suficiente sobre as propostas de cada candidato, mas serve como mais um elemento que o eleitor pode ter para subsidiar suas impressões acerca dos candidatos e construir uma opinião sobre em quem deverá votar.

São 5 os candidatos à Prefeitura de Rio das Ostras nestas eleições:

Lena do Âncora – Psol

Zezinho Salvador – PSDC

Sabino – PCS

Eduardo Castro – PR

Elisangela Broder – PTN

Assista

<p><a href=”http://vimeo.com/48972069″>Enrevista com candidatos ao governo municipal de Rio das Ostras SBT 01</a> from <a href=”http://vimeo.com/user13361868″>O Polif&ocirc;nico</a> on <a href=”http://vimeo.com”>Vimeo</a&gt;.</p>

 

<p><a href=”http://vimeo.com/48962981″>Enrevista com candidatos ao governo municipal de Rio das Ostras SBT 02</a> from <a href=”http://vimeo.com/user13361868″>O Polif&ocirc;nico</a> on <a href=”http://vimeo.com”>Vimeo</a&gt;.</p>

Comentários desativados em Rápida entrevista com candidatos à Prefeitura de Rio das Ostras

Candidato à prefeitura de Rio das Ostras dá entrevista em rádio local

LB

Entrevista de Sabino concedida hoje cedo a uma jornalista da rádio Estação 104 FM já está circulando na Internet. Para quem não conhece, Sabino se apresenta como servidor público, lembra de sua trajetória na política, que teve início quando da emancipação de Rio das Ostras, há 20 anos. Fala da politicagem que envolve o problema do abastecimento de água do município e diz que tem que se preparar para o futuro. Mais de 25 minutos de entrevista… com menos de 10 perguntas feitas pela jornalista, mas dezenas de muitas perguntas feitas pelos ouvintes, que participaram através do Facebook (será mesmo?), outros por telefone, e-mail… enfim, vale a pena escutar independentemente do destino que dará ao seu voto para prefeito de Rio das Ostras.

http://www.goear.com/listen/a2fd638/entrevista-do-sabino-no-programa-estacao-noticias-na-radio-estacao-104-fm-sabino-20

 

Comentários desativados em Candidato à prefeitura de Rio das Ostras dá entrevista em rádio local

Fora do horário eleitoral na TV, candidato a majoritária de Rio das Ostras coloca nova série de vídeos na Internet

LB

Ninguém viu ainda

Hoje cedo quando assisti aos vídeos que a equipe de MKT político do candidato do PSC ao governo municipal de Rio das Ostras, Alcebíades Sabino, tinha postado no youtube anteontem quando começou o horário político na TV, o índice de visualizações dos mesmos era zero (O).

Fui a primeira a assistir na rede a série de vídeos onde Sabino aparece contando sua história de vida e fala muito da mãe, Dna. Georgina, que dizia que ele tinha boas mãos pras flores.

No que quase podemos chamar de ‘curta-documentário’ sobre a vida pública e privada do candidato, ele conta histórias de sua infância, lembra dos tempos do gerador de luz no Iate Clube de Rio das Ostras, desligado meia noite, recorda a capina com os amigos de pelada para abrir a pequena várzea que depois virou o campo oficial do Rio das Ostras Futebol Clube…

Sentimentalista, o clima do depoimento do candidato. Ele lembra de quando os primeiros veranistas começaram a chegar em Mariléa, que era ainda a antiga fazenda do Bazim.

Lembra do Clube Cerro, mas não lembra que até hoje nunca fizeram um livreto sequer para que sua história fosse contada. Ano que vem o clube fará 50 anos de fundação.

Disse que ele e seus irmãos sustentaram a família catando ostras dos manguezais, diz saber que hoje já não há mais tantas ostras no rio, mas não admite que o rio das Ostras está poluído.

A quem se dirige a fala do vídeo?

O documentário fala diretamente com o novo morador de Rio das Ostras. Pessoas que vieram morar na cidade nos últimos oito, nove, dez anos. Nele, Sabino chega a chorar várias vezes enquanto relembra fatos de sua vida em Rio das Ostras.

Fiquei apreensiva quando o escutei dizer que deseja retomar com alguns projetos na cidade, como o de cinema…

Ah, sim, quem está COLADO em Sabino e aparece em quase todos os vídeos que o candidato postou na rede é o ator Cosme dos Santos, indicado por ele para comandar a Fundação de Cultura de Rio das Ostras caso seja eleito.

Olha, que precisamos retomar alguns projetos, sim, precisamos, mas não devemos insistir no que deu errado, e o modelo usado no passado para a execução de políticas para o setor audiovisual  em Rio das Ostras, foi horroroso.

Muito sentimentalista e pouco propositivo o vídeo.

Voltando ao cinema e ao nome que vem sendo indicado para lidar tão diretamente com cinema em Rio das Ostras, fica minha pergunta: que roteiro balela foi esse dese documentário? O cidadão, o eleitor não aceita mais documentários políticos mamão com açúcar como esse não. O vídeo pode ter cumprido uma função de liga identitária entre os antigos e novos moradores… sim, pode!… eu daqui quase chorei com Sabino quando ele contou que seu falecido irmão vinha do Rio e se emocionou ao ver o mar chegando na estrada Serra Mar. Passei minha infância brincando no banco de trás do carro com meu irmão de quem via o mar primeiro quando chegasse nesse mesmo ponto da estrada, quando vinha para Mariléa com minha família nos veraneios dos anos 70 e 80…

De fato, quem não conhece a cidade há mais de 30 anos como eu conheço tende a ficar emocionado com a história do candidato, que mais parece uma saga homérica de quem home (teria que profissão se não fosse político?) do que a trajetória de um pescador muito humilde, como ele mesmo afirma ter sido quando criança e durante a juventude em um dos capítulos do documentário.

Fica a sugestão para o eleitor de Rio das Ostras: Vejam o vídeo com olhos críticos e se perguntem onde foram parar nesse roteiro as questões mais sérias sobre Rio das Ostras? Onde foram parar nesse roteiro os problemas com a educação, a saúde, a cultura, a habitação, o meio ambiente, a empregabilidade, a infraestrutura, a distribuição de água, a segurança pública?

Chega a ser patética a situação que um desses roteiristas contratados pelo candidato criou em um outro vídeo da campanha intitulado “O povo pergunta, Sabino responde”. O roteirista tenta dar um clima de naturalização à repulsa pelo morador de rua quando coloca na fala de uma senhora que faz a pergunta a Sabino, o temor a estes. Ela chega a afirmar que tem medo dos moradores de rua que dormem ao relento na rodoviária e não quer que seus filhos vejam ‘essas pessoas’.

Para quem não faz ideia, em Rio das Ostras há um grupo de pessoas, muitas delas da maçonaria, que querem ver liquidados todas as ciganas e moradores de rua que vem parar na cidade. Eles e seus cachorros de rua… Essa posição já foi inclusive argumento para muita matéria levantada pelo jornal O Polifônico. O fato é que no vídeo, Sabino, para poder falar um pouco sobre sua política assistencialista aos moradores de rua já começa falando: ‘Olha, fulana… nós precisamos entender que essas pessoas são nossos irmãos, eles não tem culpa de serem moradores de rua…”, mas não fala absolutamente nada sobre criar políticas de base para dar condições mínimas de acesso a emprego e moradia a essas pessoas. O resultado no vídeo foi uma interpretação forçosa feita pelo candidato em sua resposta, indicada no péssimo roteiro sugerido pela equipe de redação e vídeo. Não funcionou pra mim, mas tem gente que cai! E como tem! Nesse vídeo mesmo… o povo pergunta e Sab.. responde, há vários jovens se apresentando como defensores mesmo do cara, de suas propostas, de seu retorno ao governo municipal de Rio das Ostras.

De fato a situação não está nada razoável, eleitor riostrense. Serão mais oito anos de cineminha mau redigido nas ruas da cidade. Cinema de Rua com filme estadunidense e roteiros tão ruins como estes desses videozinhos que vi esta manhã sobre nosso provável futuro prefeito.

Comentários desativados em Fora do horário eleitoral na TV, candidato a majoritária de Rio das Ostras coloca nova série de vídeos na Internet

Dever de casa para os produtores e agentes culturais de Rio das Ostras

Posted in Cidade, Cultura, Eleições 2012 by ImprensaBR on 10/08/2012

LB

Estão online no site do candidato Sabino seus projetos de governo. O Jornal O Polifônico começa hoje uma análise de todos eles junto com você, leitor.

Vamos analisar juntos esses planos, opinar e escolher o que queremos para nossa cidade.

Infelizmente não encontramos links na Net pata outros sites dos candidatos à prefeitura, e para o Legislativo não é diferente. O único, que até o momento postou o Plano de Governo para a Cultura e demais setores da gestão municipal foi Sabino. Isso enfraquece a possibilidade de escolha pelo eleitor, que deve cobrar dos demais candidatos que exponham na rede suas propostas.

Deixe seu comentário sobre o que achou do que chamo de ‘tópicos para um debate sobre políticas culturais em Rio das Ostras’, mas que no site, Sabino chama de Plano de Governo.

Segue o Plano de Governo para a Cultura

Cultura

Plano de Governo

– Organizar a Conferência Municipal, instalar o Conselho, criar o Fundo e elaborar o Plano Municipal de Cultura;

– Garantir a aplicação de, no mínimo, 1,5% do orçamento municipal para a cultura e expandir a oferta cultural por meio de editais públicos;

– Fortalecer as atividades da Fundação Rio das Ostras de Cultura;

– Resgatar a Orquestra Kuarup, a Banda Musical, o Coral Vozes do Leripe, o Conjunto de Flautas Doce Pérola e o Coral dos Servidores, entre outros;

– Desenvolver ações de valorização da cultura local, garantindo a manutenção, recuperação e restauração do patrimônio histórico, artístico e cultural, preservando a identidade do nosso povo por meio de pesquisas, mapeamentos, registros e da publicação de documentos que divulguem a memória do município;

– Retomar o programa de pesquisas arqueológicas;

– Incentivar e prestigiar os artistas locais, promovendo a realização de feiras de artes nos bairros, criando novos locais para comercialização;

– Restaurar, ampliar e modernizar os equipamentos culturais, como: a Casa da Cultura Doutor Bento Costa Júnior, o Museu Sambaqui da Tarioba, o Museu do Trem, o Centro Ferroviário de Cultura, a Escola de Música e Dança, o Teatro Municipal, a Biblioteca Pública, a Escola de Fundição, Artes e Ofícios, a Casa da Farinha e a Feira do Artesanato, entre outros;

– Implantar calendário oficial de eventos culturais, incluindo atividades como: Festival de Dança, Teatro, Bandas e Fanfarras, Auto de Natal, Auto da Paixão de Cristo, Encontro de Capoeira, Festival de Talentos, Festival de Cinema e projeto Cinema de Rua, entre outros;

– Criar a Escola Municipal de Áudio e Vídeo, cenografia, figurino e outros, implantando no município os canais de rádio e TV cultura para registro e transmissão dos acontecimentos de interesse da população local;

– Valorizar os profissionais formados pela Fundação Rio das Ostras de Cultura, incentivando a criação de cooperativas e associações culturais;

– Democratizar o uso dos espaços públicos para exposições artísticas, descentralizando as atividades culturais, criando núcleos nos bairros;

– Apoiar as iniciativas e as atividades ligadas à expressão da cultura hip hop, capoeira e danças afro-brasileiras;

– Instituir as Companhias Municipais de música, teatro e dança;

– Implementar Escritório de Gestão de Projetos Culturais para oferecer assistência e qualificação para produtores e gestores culturais;

– Promover a integração e interatividade da Fundação Rio das Ostras de Cultura com as secretarias municipais, principalmente Educação, Saúde, Sem-estar social e Esporte;

– Integrar os estudantes e professores do curso de Produção Cultural da UFF (Universidade Federal Fluminense) às ações da Fundação Rio das Ostras de Cultura.

Plano de Cultura – Fonte:  http://www.sabino20.com.br/cultura

Comentários desativados em Dever de casa para os produtores e agentes culturais de Rio das Ostras

Sobre Macaé e as eleições

Posted in Articulistas, Eleições 2012, Macaé, Matheus Thomaz by ImprensaBR on 09/08/2012

Por Matheus Tomaz*

O município de Macaé é de importância estratégica para o Estado do Rio de Janeiro. É onde está localizada a principal base de operações da Petrobrás, maior empresa estatal brasileira. A cidade vivencia um crescimento econômico e um processo de industrialização acelerado nos últimos anos, cujo impacto direto é a migração de muitos trabalhadores, crescimento demográfico e a emergência da questão social[1] como conseqüência do processo.

Conforme aponta o censo IBGE 2010, a população residente ultrapassou os 200 mil habitantes. A densidade demográfica passou de 100 hab/km², em 1991, para, aproximadamente, 174 hab/km². Trata-se de um dos municípios mais ricos do Estado, devido à parcela dos Royalties recebida por aqui. Mas essa riqueza toda somada ao volume de pessoas que habitam essas terras têm proporcionado também um crescimento acelerado de desigualdade, expressa na tal questão social.

Uma clara expressão dessa desigualdade é que, segundo dados do IBGE, o PIB per capita do município é de cerca de R$ 42 mil, um dos maiores do país e entre os cinco maiores do Estado do Rio de Janeiro. No entanto, o IDH (índice de desenvolvimento humano) é o 15º do Estado e o 82º do país. É visível como o desenvolvimento local segue a lei geral da acumulação capitalista[2], que afirma que enquanto uma ponta acumula bens e riquezas na outra cresce as expressões da pobreza e das mazelas humanas.

É nesse contexto que acontece a eleição para prefeito e para as cadeiras da casa legislativa municipal. E embora, residente, há 10 meses na cidade (sou mais um trabalhador que migrou com a família para a cidade). Mas com mais de dez anos de efetiva participação e militância tanto em movimentos sociais quanto em partidos políticos, vou arriscar alguns comentários sobre o processo atual e alguns de seus personagens. Hoje vou centrar na Eleição majoritária, são sete os candidatos que se apresentaram para concorrer à vaga de prefeito da cidade.

No campo da esquerda, houve uma divisão que acaba fragilizando ainda mais a atuação política de ambos os partidos, ainda incipientes na cidade. O PSTU aposta na candidatura do jovem petroleiro Mateus Ribeiro, deverão obter êxitos diante de suas expectativas para as eleições. Devem conseguir consolidar um bom núcleo partidário na cidade, ampliar o trabalho nos petroleiros e criar um lastro entre professores e juventude. Já o PSOL, passou por um período pré-eleitoral agitado e de intensa de movimentação interna. Foi desde a tentativa de filiação ao partido de Fred Kholer, passou por conversas com setores radicalizados do PT para ingresso no partido e terminou com prévias que, por uma apertada diferença de três votos, fez de Rafael Anunciação o candidato a prefeito pelo partido.

Há a candidatura de Zezé Abreu, do PPS, radialista com um programa de audiência significativa na cidade. Eu mesmo eventualmente ouvia por esse canal as noticias locais durante o trajeto para o trabalho, confesso que mais por falta de opção do que pela qualidade do serviço prestado, pois tem uma forte expressão assistencialista e demagoga. Uma vez ouvi o mesmo se desculpar por usar o Sistema Único de Saúde, que supostamente ele tiraria a vaga de um ‘necessitado’, postulante a político deveria ter algum entendimento sobre o que diz a constituição sobre direito à saúde.

Já na extrema direita, tem a candidatura do Pastor Nilson representando o DEM, o mesmo se coligou com o PR de Garotinho. Deve-se se pautar em idealizações conservadoras e religiosas. Por fim há a candidatura de Fred Kholer, pela legenda de aluguel PTN, que não tem tido muita sorte nesse processo. Primeiro teve a filiação no PSOL barrada pela militância do partido e agora tem seu registro de candidatura considerado indeferido pelo TER-RJ.

Mas a disputa que tem movimentado a cidade, as redes sociais e provocado fortes emoções e debates acalorados é entre os candidatos Christino Áureo e Dr. Aluizio.

O primeiro representa a situação, é o candidato do prefeito, e a continuidade do grupo político que dá a direção política e executa a gestão municipal pelo menos nos últimos 25 anos, mesmo com pequenas disputas e divergências entre eles, no fundo sempre estiveram ali juntos. Não é por acaso que diante de ameaça real de derrota todos se juntaram bem no espírito do nome da coligação: “De mãos dadas no presente e de olho no futuro”. Talvez tenha faltado um pequeno complemento, e, por favor, não pergunte nada do passado. Candidato pelo recém fundado PSD do cacique Kassab, Christino reflete as mesmas características do governo Sérgio Cabral de onde foi secretário, quer transformar tudo em negócio ao mesmo tempo em que faz obras de grande porte, preferencialmente pela DELTA.

Enquanto que o segundo surge no horizonte como o novo e se apresenta como a mudança nos rumos da política macaense. Deputado Federal pelo PV, Dr. Aluisio, que já esteve trabalhando diretamente na gestão municipal, concentra toda uma expectativa de mudança na cidade. Um dado interessante sobre o que mais ouvi nas ruas da cidade é que a situação não está boa e que precisa mudar. Tanto é assim que a coligação do atual prefeito tem um pouco de vergonha de se assumir.

A candidatura Verde apresenta um discurso moderno e vinculado ao desenvolvimento sustentável apostou em uma imagem mais radicalizada, que acaba também refletindo na construção programática, ao coligar com o PT e promover o vereador Danilo Funke como seu candidato a vice. Pode – se dizer que foi o único vereador que tinha ousadia em desobedecer ao prefeito, posto que os outros se portavam muito mais como garotos de recados do alcaide, sem qualquer independência ou coerência, do que representantes do poder legislativo. A vitória deste setor representaria quase uma revolução burguesa no município.

Assim vai acontecendo o processo eleitoral na cidade, as placas começar a surgir nas esquinas, carros e casas com seus grandes adesivos. Os burburinhos e intensa movimentação na rede social. Esta última tem provocado debates ora inflamados, ora apaixonados. Porém, substancialmente esses debates têm seguidos caminhos tortos, se discute muito mais a pessoa, sujeito candidato, do que efetivamente a idéia, proposta política e planejamento para gestão da cidade. Não há grandes grupos para debate e discussão de representatividade da cidade, mas grupos formados e administrados por militantes/cabo eleitorais, em geral pago para isso. Os debates se perdem numa política despolitizada que parece existir mais para confundir do que servir como instrumento de liberdade e escolha.

Enfim, acompanharei esse processo como um aprendizado sobre a cidade, seus cidadãos e suas figuras refletidas no plano político municipal. Não somente como expectador, mas também como sujeito morador da cidade e parte de tudo isso. Se há piora na qualidade de vida, na prestação dos serviços públicos ou na organização da cidade sou afetado, por isso essa idéia da observação participante, sempre com uns pitacos vez ou outra.

Fontes consultadas:

IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade; trabalho e formação profissional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

IBGE cidades http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

MARX, Karl. A lei geral da acumulação capitalista. O capital. Livro I, volume I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2009

[1] Segundo Iamamoto (1999, p. 27), a Questão Social pode ser definida como: O conjunto das expressões das desigualdades da sociedade capitalista madura, que têm uma raiz comum: a produção social é cada vez mais colectiva, o trabalho torna-se mais amplamente social, enquanto a apropriação dos seus frutos se mantém privada, monopolizada por uma parte da sociedade.

[2] “Mas os métodos de extrair mais-valia são, ao mesmo tempo, métodos de acumular, e todo aumento da acumulação torna-se reciprocamente, meio de desenvolver aqueles métodos. Infere-se daí que, na medida em que se acumula o capital, tem de se piorar a situação do trabalhador […] Determina uma acumulação de miséria correspondente à acumulação de capital. Acumulação de riqueza num pólo é, ao mesmo tempo, acumulação de miséria, de trabalho atormentante, de escravatura, ignorância, brutalização e degradação moral, no pólo oposto.” (Marx, 2009: 749)

*Matheus Tomaz é assistente social e articulista do jornal O Polifônico desde 2009.

Comentários desativados em Sobre Macaé e as eleições

Justiça eleitoral indeferiu 45 registros de candidaturas ao Legislativo de Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012, Política by ImprensaBR on 08/08/2012

Muitos são nomes antigos na Câmara

LB

O TSE divulgou e o site divulgacand já publicou a relação dos candidatos a vereador que tiveram seu pedido de registro de candidatura indeferidos.

Entre os nomes figuram alguns que não podem deixar de passar em branco, como o do atual vereador Ademir da farmácia (PMBD) e do vereador Betinho (PSD), que trocou de partido às vésperas do cadastramento no TRE. Provavelmente seu pedido foi indeferido novamente em função da Lei da Fidelidade Partidária. Betinho fez exatamente a mesma manobra nas últimas eleições municipais, em 2008 e na época também temeu ficar fora do pleito, mas acabou saindo ileso. Agora ele é candidato com recurso no TRE. Que coisa feia…

O vereador, gente de Jardim Mariléa, minha terra, Cemir Jóia (PSB) também está fora do páreo, ao seu lado está relacionado o nome de Robinho (PMDB) antigo no Legislativo riostrense como Cemir.

A suplente na Câmara, única mulher votada ao ponto de assumir uma suplência no Legislativo nas eleições de 2008, Andrea do Cocô (PSDB) também caiu com a decisão da justiça eleitoral.

O presidente do Conselho Municipal de Segurança Pública, Jorge da Costa Maia, o Maia do Praiamar (PPS) deve estar amargando a decisão da justiça, que indeferiu o registro de sua segunda candidatura ao Legislativo de Rio das Ostras. Maia concorreu nas eleições de 2008 apoiando Carlos Augusto. Nestas eleições, apoiando Sabino, ele viria pela coligação Rio das Ostras em Paz.

A fama de Aparecida Verdan não é das melhores na cidade, ainda mais quando se trata de ética em tempos eleitorais. Este ano ela teve o pedido de registro indeferido. Da mesma coligação de Jorge Maia, ela seria candidata pelo PMBD.

Da coligação Rio das Ostras: Renovação, Ética e Compromisso, outro nome antigo na política local, Paulo Nagib, ficou de fora dessas eleições pelo PT do B.

Claudio Henrique da Silva, o Claudio do Transporte Legal (PSB) foi mais um que teve o pedido de registro de candidatura indeferido pela justiça eleitoral. Claudio Miranda (PPS) de Palmital também foi indeferido.

Sandro bailarino (PSB) teve pedido indeferido e diferentemente de 2008, não poderá concorrer ao Legislativo este ano.

O total de candidatos era de 264, com os indeferimentos ele cai para 219.

Veja a relação completa no link:

http://divulgacand2012.tse.jus.br/divulgacand2012/abrirTelaPesquisaCandidatosPorUF.action?siglaUFSelecionada=RJ

Comentários desativados em Justiça eleitoral indeferiu 45 registros de candidaturas ao Legislativo de Rio das Ostras

Rio das Ostras nas redes sociais em tempos de eleição: juventude agride candidato do Psol e tenta usar seu perfil para desorientar a campanha

Posted in Cidade, Eleições 2012 by ImprensaBR on 06/08/2012

Agora, às 10h de uma manhã de segunda nublada em riodas… nessa podreira de cenário de articulações eleitoreiras, no qual estamos vivendo, naturalmente como em qualquer outra segunda-feira eu navegaria por essas redes… mas hoje é diferente; é tempo de prévias eleitorais em Rio das Ostras.

Nas navegadas em busca da pauta perfeita… no afã de tentar acender a esperança em mim… a esperança que me leve a querer construir um país melhor, uma cidade mais digna para eu morar com minha família, meus amigos, com meu filho, meu marido, enfim…   quando tento entender aonde esta cidade quer chegar… e até aonde a levarão… alguns políticos locais… abro este ‘post’ infeliz… e paro tudo para dar a devida atenção que ele merece

O conteúdo aqui expressado no ‘debate’, o mesmo me despertou tanto a atenção, que gostaria de convocar os sociólogos loucos* de plantão para analisar essa lógica social estabelecida entre alguns núcleos de jovens da cidade.

Estariam se estabelecendo ou seriam esses grupos organismos frágeis e instáveis geridos por uma liderança neonazista, altamente controladora? Isto aqui é o sinal mais notório de que a rede não faz união, mas sim, cria espião. Ou esses perfis que estão tentando detonar o candidato Jonathan do Psol são falsos, ou estão demonstrando toda sua ignorância e desesperança; dois fatores fundamentais para um pensamento altruísta como esse meu… e seu, caro amigo… o de querer ter esperança…

Isto aqui postado é o retrato do desfacelamento da esperança nos corações dos homens, contudo, no Brasil, a juventude, que filosoficamente e biologicamente deveria ser que tomaria a frente da proatividade se coloca inepta desta maneira. Uma juventude sufocada até hoje pelos gritos dos massacrados e mortos covardemente nos porões da ditadura militar. Uma juventude burra, alienada, escrota mesmo.

Uma juventude que se perdeu no funk, no rock, no futebol, nas telas da TV e que agora se mata no crack.

Estou triste. Começo triste esta semana. Mais uma. Mais uma ou menos uma? E sigo ao teu lado, caro amigo… somos fortes, somos povo, somos guerreiros (mortais, por isso não demos mole por aí, ao contrário, deixemos nossos amigos bem alardeados, aladeados…).

Quanto ao marquetim… ponto pra você, Jonathan!!!!! MKT gratuito no teu perfil! É isso aí! Os marqueteiros megalomaníacos cobram fortunas dos candidatos em época de eleição para gerenciarem redes sociais. Você está trabalhando sem orçamento nesta empreitada que é uma campanha eleitoral e está tendo share de graça! Melhor impossível!

Agora é tentar sair desse baixo nível que foi colocado pelo fakes e dar conta do que segue na agenda da semana e da campanha…

Quanto a essa juventude, não me resta só chorar não… lamento muito sim, mas permaneço, caro amigo, nesta luta até o fim!

Um abraço,

LB – Editora d’O Polifônico.

Comentários desativados em Rio das Ostras nas redes sociais em tempos de eleição: juventude agride candidato do Psol e tenta usar seu perfil para desorientar a campanha

Jingles políticos em Rio das Ostras: o ‘chiclete de orelha’ dos candidatos já está tocando por aí

Posted in Brasil, Cidade, Eleições 2012, Política by ImprensaBR on 01/08/2012

LB

Esta semana começaram a circular na Internet, através das redes sociais mais frequentadas, os vídeos de alguns candidatos de Rio das Ostras com seus respectivos jingles da campanha 2012.

Sendo uma forma específica de comunicar, o jingle exerce funções diferentes do jornal impresso e da televisão numa campanha eleitoral. Ele promove a sensação de euforia e comunhão identitária em quem o escuta. É um forte instrumento de manipulação, e os ritmos mais usados pelos compositores para fazer essas canções, seguem a risca o que toca nas paradas de sucesso das rádios populares do Brasil. O resultado são jingles políticos feitos em ritmo de pagode, samba, axé, forró, rock, música romântica (vejam essa!!!) e até tecnobrega, o que mais vamos escutar este ano em todo o Brasil, e em Rio das Ostras não seria diferente.

Em seu estudo ‘A Função Sinestésica do Jingle Político’, a jornalista e pesquisadora Silvia Thais De Poli (1) caracteriza o Jingle “como uma peça publicitária que como tal, possui características de Propaganda. De forma geral, a Propaganda tem por objetivo determinar a convicção de consumir, relacionando sentimentos a ideias, estimulando o desejo de garantir valores almejados pelo seu público-alvo. O jingle é um das formas utilizadas para se alcançar a coerência comportamental necessária além de apresentar o candidato como a solução para as necessidades do cidadão”. O foco do estudo da jornalista é compreender a música do jingle como construtora da identidade social e individual, e explicar o que motiva uma resposta sinestésica do ouvinte/leitor a essa música (o jingle político).

Ainda segundo a pesquisadora “a composição do jingle político é formada pela união entre a melodia e a poética. Reforçando a ideia linguística, a melodia contempla recursos psicológicos e, especificamente, a sinestesia. Os compassos curtos, que são tocados por arranjos bem marcados pelos baixos alternados, caracterizam um movimento denominado Marcha’. E segue […] “geralmente utilizado na execução de músicas folclóricas, cantigas infantis, canções patriotas, religiosas e tradicionais – esse tipo de movimento rítmico é muito popular por atingir o ‘povo’, que provavelmente estranharia outro movimento mais complexo como o Jazz ou a Música Clássica.

Existe uma diferença entre a velocidade e os tempos das notas, já que o andamento é moderato e a duração das figuras – em sua maioria – são rápidas com o compasso acelerado. Essa diferença de notas representa uma preocupação em tocar essa música de forma ‘alegre e entusiasmada’ com o andamento lento, pois se esse também fosse acelerado o ouvinte poderia não compreender nitidamente a mensagem transmitida pela canção”.

Não pretendemos nos ater à função emocional da música no contexto social de forma ampla, mas contextualizá-la no cenário atual das campanhas eleitorais em Rio das Ostras. E nesta perspectiva, encontramos Rafael Sampaio, e livro ‘Propaganda de A a Z: como usar a propaganda para construir marcas e  empresas de sucesso’. Nele, Sampaio afirma que “as pessoas ouvem o Jingle e não esquecem. É aquilo que a sabedoria popular denomina de “chiclete de orelha”. A vantagem dos jingles, em razão do formato, é que essas peças musicais contém, além da mensagem, o clima, a emoção objetivada e um expressivo poder de “recall”. O jingle é algo que fica, uma vez que as pessoas guardam o tema consigo e muitos anos depois ainda são lembradas pelos consumidores. Devido ao poder de memorização que a música tem, o jingle é uma alternativa de comunicação muito poderosa”.

O jingle no Brasil

O jingle apareceu no Brasil em 1932, no de rádio de Ademar Casé, o ‘Programa Casé’, mas antes disso, a história do jingle político começa antes disso, na campanha do então do então presidente da República, Marechal Hermes das Fonseca – conhecido popularmente como “seu Dudu”, em 1914.

Tanto na política quanto na publicidade a história do jingle é antiga no Brasil e nos remete ao voto livre no país. Na década de vinte do século XIX eram normais as paródias musicais de cunho político, que satirizavam candidatos e políticos. Analisando mais profundamente essas músicas, vemos que as mesmas podem ser vistas como um jingle político. Segundo o cientista político Luiz Claudio Lourenço, isso poderia nos levar a conclusão de que o jingle político no país surge antes mesmo do jingle comercial tanto aqui e quanto nos Estados Unidos.

Foi na década seguinte, com as megalômicas campanhas eleitorais de Getulio Vargas, que o jingle passou a ter importante uso político e não saiu mais deste campo. Getulio soube utilizar bem este elemento como uma estratégia para ganhar a simpatia e as eleições.

Jânio Quadros também fez do jingle sua marca quando foi às ruas com varre, varre vassourinha. A canção o acompanharia em todas as suas campanhas políticas até 1985, quando venceu as eleições para a prefeitura de São Paulo.

Nos anos 30, no cinema o que estava em voga eram os filmes que imitavam a cinematografia estadunidente. Produtoras brasileiras só rodavam chanchadas, filmes de enredo ingênuo, humorístico, regados a muita marchinha de carnaval. E foi nessa mesma estética que os primeiros jingles políticos no Brasil eram criados. Durante 30 anos, de 1930 a 1960, foram os hinos, as marchas, o samba e as músicas carnavalescas que predominaram entre os gêneros musicais mais utilizados pelos jingles políticos. E para fazer mais sucesso, a escolha e preferência por cantores famosos da época para interpretar os jingles já eram uma prática dos políticos.

Desde seu surgimento, o jingle político não parou mais de ser utilizado e, ainda com as novas mídias e tecnologias de comunicação, permanece vivíssimo ecoando em nossos ouvidos durante o período eleitoral.

Em seu artigo ‘Jingles Políticos: estratégia, cultura e memória nas eleições brasileiras’ o cientista social Luiz Cláudio Lourenço (2), nos lembra, que “as relações entre música e política no Brasil são mais antigas que a própria república e se já aparecem na composição de nosso primeiro hino nacional, hoje hino da independência, na pareceria Evaristo da Veiga e D. Pedro I. Esta relação, política e música, passou pela música de escárnio e a paródia política que foram as raízes dos jingles políticos-eleitorais que perduram até hoje”.

Márcia Vidal Nunes (3), em seu livro ‘O rádio no horário eleitoral de 2002: a sedução sonora como estratégia de marketing’, estuda a linguagem sonora no meio radiofônico nas campanhas eleitorais brasileiras. Segundo ela, o jingle congrega algumas características próprias: emocionalidade, fala reiterativa, conversa fixadora e imagem marca. Características estas que se apresentam em todos os jingles políticos. Seria o jingle, então, o elemento de síntese da imagem do candidato, de suas virtudes e pontos fortes, assim como de suas propostas com uma linguagem emotiva, que reforce estes pontos, tentando fixar no eleitor uma ideia-chave, um conceito, sobre a candidatura (4).

Quanto vale o show?

Hoje, encontramos na Internet milhares de agências de publicidade que oferecem o serviço, mas embora a produção de um jingle, que gira em torno de R$ 1.000,00 não seja exorbitante dentro dos gastos da campanha eleitoral, a criação, produção e pagamento do cachê do intérprete pode ultrapassar R$ 10.000,00.

Esteja atento aos chicletes que soarão no seu ouvido nessas eleições e não caia no samba à toa. Lembre-se da sociedade do aplauso, a mesma que lota estádios de futebol aos domingos, mas que na hora de escolher seu representante governamental diz que não gosta de discutir política.

Listamos os links dos jingles de alguns candidatos ao governo de Rio das Ostras para que você conheça e reflita sobre suas mensagens e de forma alguma queremos com isso dar publicidade a esses candidatos ou reforçar sua imagem, ao contrário. Só não poderíamos deixar de fora deste breve artigo o tema que nos trouxe aqui. Vale ainda a ressalva de que linkamos estes abaixo apenas, pois não há postagens ainda na Internet de jingles de outros candidatos.

Jingles históricos de campanhas para a Presidência da República

http://www.youtube.com/watch?v=o2ETCBNaJrs&feature=related

Depoimento dos irmãos Jean e Paulo Garfunker (20 anos compondo jingles para campanhas políticas)

 http://www.youtube.com/watch?v=edIoPfGV3Hs

Jingle do Sabino para sua campanha a prefeito de Rio das Ostras, em 2008

Perceba que à época ainda havia um forte apelo romântico na composição, diferentemente de seu jingle atual, que remete o ouvinte a um estado de euforia e menos meditação. Nesse tempo, Rio das Ostras estava recebendo novos eleitores, mas não como hoje, que o número de habitantes e votantes no município evoluiu significativamente. Observe na nova música do candidato para a campanha 2012, a marchinha e uma tentativa de menção ao novo, atual, eletrônico. Mudaram os eleitores, mudou o apelo.

http://www.youtube.com/watch?v=X3Bg9-UzJok

Jingle da campanha 2012 de Sabino

http://www.youtube.com/watch?v=Rt_bjKCM6RU

Jingle da campanha 2012 de kátia Brandão, candidata ao legislativo de Rio das Ostras

http://www.youtube.com/watch?v=-4flweaIsjI&feature=related

Jingle da campanha 2012 de Rosenildo Correa Viana, candidato ao legislativo de Rio das Ostras

http://www.youtube.com/watch?v=vR4uWOrJF_0

 (1)  Jornalista, Pós-graduanda em Sociologia Política pela Universidade Federal do Paraná e mestranda no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação e Linguagens pela Universidade Tuiuti do Paraná. Participa como integrante do grupo de pesquisa JORXX.

 (2)    Cientista social, professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal da Bahia.

 (3)    Doutora em Comunicação e Política da USP.

Comentários desativados em Jingles políticos em Rio das Ostras: o ‘chiclete de orelha’ dos candidatos já está tocando por aí

Rio das Ostras na mira do TRE

Posted in Cidade, Eleições 2012, Política by ImprensaBR on 30/07/2012

Por Leonor Bianchi

A partir desta semana, antecipando as ações que começariam mais próximas ao peito de outubro, o TRE inicia uma série de operações surpresa nas cidades que receberiam reforço policial e a força do exército durante as eleições para vereador e prefeito deste ano.

A antecipação deve-se ao assassinato neste sábado do candidato a vereador no município de Magé, o sargento da Polícia Militar, Marcelo Rodrigues dos Santos, conhecido como Marcelo Coelho, 40, que morreu ao levar três tiros na cabeça, em um bar de sua propriedade.

Rio das Ostras é uma das cidades que receberá fiscalização intensiva do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) durante as eleições, mas o argumento levantado para justificar essa fiscalização na cidade não seria o desbaratamento de esquemas de milícias e sim os royalties de petróleo que Rio das Ostras recebe.

Assim como Rio das Ostras, na região da Baixada Litorânea, Campos, Macaé, Cabo Frio, Itaboraí e São Gonçalo também receberão reforço na segurança e intensa fiscalização do TRE nessas eleições. “Em todo local onde entra muito dinheiro há briga. A fiscalização do TRE terá presença ostensiva nas áreas, para coibir abusos”, diz o desembargador Luiz Zveiter, o presidente do TRE.

Nas eleições de 2008 a milícia impediu que alguns candidatos tivessem acesso a locais controlados por milíciantes ou traficantes. Foi o caso da Rocinha, onde somente o já falecido Claudinho da Academia podia fazer campanha.

O atual candidato a prefeitura do Rio de Janeiro e ex-presidente da CPI das Milícias, o deputado estadual, Marcelo Freixo (Psol), sofreu e ainda sofre diversas ameaças, precisando manter segurança para si e sua família, cotidianamente.

O ex-vereador Jerominho, a filha dele e vereadora Carminha, o ex-deputado estadual Natalino e Luiz André “Deco” são alguns dos presos acusados de comandar milícias.

Em Rio das Ostras, nas eleições para deputado estadual, em 2006, o candidato pelo PSC  ao governo municipal este ano e ex-prefeito por dois mandatos na cidade, Alcebíades Sabino, foi acusado de participar de um esquema de compras de voto em Silva Jardim. Este mesmo candidato consta da lista dos políticos que receberam dinheiro da Locanty para sua campanha em 2010, quando disputava pela segunda vez a Alerj, uma das empresas denunciadas por oferecer propinas para ganhar licitações na área da saúde. Só em 2010, foram mais de R$ 1,4 milhão para quatro campanhas eleitorais.

Comentários desativados em Rio das Ostras na mira do TRE

Nada Deve Parecer Impossível De Mudar

Posted in Brasil, Cidadania, Cidade, Eleições 2012, Esporte, Matheus Thomaz by ImprensaBR on 04/07/2012

Por Matheus Thomaz

Desconfiai do mais trivial,na aparência singelo.

E examinai, sobretudo, o que parece habitual.

Suplicamos expressamente:

Não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,

Pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada,

de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada,

nada deve parecer natural

nada deve parecer impossível de mudar.

(Bertolt Bretch)

Terminou o prazo para a formalização das candidaturas tanto a prefeito como de vereador para as eleições deste ano. Outro veículo de informação local afirmou que serão 4 os postulantes ao cargo de prefeito de Rio das Ostras. Uma chapa com um azarão da burguesia local, um braço político do Garotinho, o Deputado Sabino e o atual vice-prefeito. Essas quatro candidaturas resultam do fracionamento das forças que dominam Rio das Ostras desde sua emancipação.

Porém existe mais uma candidatura! O Partido Socialismo e Liberdade, PSOL, apresentou sua chapa ao pleito. Concorrendo sem alianças o partido aposta na onda solar da primavera carioca. A convenção aconteceu na última sexta-feira, dia 29 de junho. Mais de 100 pessoas estiveram na Câmara de Vereadores para dar apoio e prestigiar o lançamento. Não teve queima de fogos, carreata ou quaisquer outros estardalhaços.  O objetivo não era um espetáculo para a sociedade ou mais uma encenação da sociedade do espetáculo, os ventos ali eram sugestivos de mudança. Ventos que semeiam campos e junto aos passarinhos da liberdade espalham as sementes das flores primaveris.

A chapa do PSOL é composta por dez candidatos a vereadores e tem como candidata a Prefeita Lena, de 39 anos, auxiliar de serviços gerais contratada da Escola Jacintho e presidente da Associação de Moradores do Âncora. Líder comunitária aguerrida que nunca se furtou em enfrentar e denunciar a gestão municipal no seu (dês)gorverno a favor de uns poucos. Sua luta é por questões elementares como água, iluminação, segurança, saúde, transporte e educação.

O PSOL vai apresentar um programa consistente para a cidade de Rio das Ostras. O conjunto da militância já tem uma boa análise geral e de algumas áreas específicas das políticas sociais como: educação, transporte e saúde. É parte da discussão do PSOL também a questão do combate às opressões, a questão da mulher, dos LGBT’s. Rio das Ostras tem uma questão ambiental muito séria, a forte tensão entre busca de lucros pela especulação imobiliária e a preservação de características naturais e uma ocupação planejada do espaço. Será apresentado o debate do ecossocialismo com propostas concretas. É também preocupação a questão democrática e a participação popular com a idéia de fortalecer os conselhos de políticas e de direitos.

A proposta é uma mudança de prioridade nas finanças públicas, a cidade não será mais uma sala de negócios de meia dúzia de empresas em quanto que a população e as políticas públicas ficam com as migalhas que caem do banquete farto da burguesia. O PSOL se propõe a fazer uma grande auditoria em todas as contas e contratos de serviços da prefeitura, passar um pente fino nas finanças públicas. Reduzir o desperdício e melhorar a qualidade do gasto público, acabar com o cabide de emprego com cortes de cargos desnecessários como fiscal de corredor e secretário do carro oficial.

Havia uma energia forte na convenção. Trabalhadores e estudantes lá presentes tinham um brilho nos olhos, eles sabem que estão fazendo história. Terão uma batalha dura e difícil pela frente, enfrentar toda a máquina eleitoral do governo municipal e estadual e mais as altíssimas cifras que essas candidaturas arrecadam junto a empresários muito interessados em política. Dirão que os lutadores são como o Incrível Exército de Brancaleone, partirão para desqualificação. Mas tentarão a todo custo os fazer invisíveis! Farão isso por que temem esses jovens com brilhos nos olhos e coragem nos corações. Temem a força do povo, temem a consciência política da população.

Já experimentaram esses ventos fortes de lutas. Acredito que não tenham se esquecido do último sete de setembro, o Grito dos Excluídos de Rio das Ostras. O grito foi tão ensurdecedor que fez o prefeito sair zonzo, calado e derrotado de seu palanque. Essa voz já se levantou em outros momentos como no 15-O, como a Marcha da Maconha, Marcha da Liberdade, nas grandes manifestações protagonizadas pela comunidade universitária da UFF, nas mais de 500 pessoas que foram às ruas protestar contra as quatro secretarias falcatruas que foram criadas. Ainda assim tentarão dizer que esses movimentos são vazios.

Dirão que esses do PSOL são só uns pobres jovens sonhadores, que a política não é para eles. Que não se chega a lugar nenhum sem aliança e coligação. Que a política sempre foi assim, que sem gastar uma dinheirama não se elege. Repetirão centenas de vezes que só um deles tem chance de ganhar, que votar no PSOL é desperdiçar o voto.  Que é impossível fazer diferente! Que eles sabem como fazer política.

Em todo esse contexto a candidatura do PSOL representa a esperança.

É a mais singela expressão de que nada deve parecer impossível de mudar.

Comentários desativados em Nada Deve Parecer Impossível De Mudar

As eleições vem chegando

Posted in Articulistas, Denúncia, Eleições 2012, Estado, Macaé, Matheus Thomaz, Política, Região by ImprensaBR on 02/05/2012

Matheus Thomaz*

Estamos em período pré-eleitoral, com os pleitos municipais se aproximando vou aproveitar o espaço para apresentar leituras sobre o cenário local. Irei começar pela analise da prestação de contas de contas do deputado federal local do PMDB e irmão do prefeito, para se ter um entendimento melhor é bom compreender que a política aqui acaba funcionando como um negócio de família. Tentarei achar relações com acontecimentos e ações aqui do município. Toda pesquisa sobre doação e arrecadação de campanha foi retirado do site http://www.asclaras.org.br/

Bem o Deputado Adrian, arrecadou R$ 2.106.386,72,isso mesmo mais de dois milhões de reais para se tornar deputado federal. Será que vale mesmo tanto investimento para participar do congresso federal e decidir sobre as leis do país? Devem acreditar muito na democracia todos esses doadores. Deste montante, 90% foram doados por pessoa jurídica e dessas temos 24 empresas locadoras de máquinas e 13 empresas prestadoras de serviço. Números significativos, uma nova etapa desta pesquisa poderia ser quantas dessas empresas prestam serviços à prefeitura municipal de Macaé.

Através da pessoa Jurídica Adrian Mussi foram doados R$ 156.567,18, esse valor é mais que a metade de todo patrimônio que o deputado declarou à justiça eleitoral para ser candidato em 2010 (segundo site http://www.excelencias.org.br foi de R$ 230.706,88). Esse dinheiro de campanha muitas vezes parece circular entre candidatos e doadores. Existem algumas doações no mínimo curiosas feita pela pessoa jurídica. A maior doação individual foi para um candidato chamado Adilson Palácio, do Partido Republicano Progressista (PRP) e alcançou só 1.219 votos e não se elegeu ficando na suplência. As doações são para candidatos a deputado estadual variados partidos e os eleitos hoje fazem parte da base de sustentação do governo Sérgio Cabral. O candidato derrotado ao senado pelo PMDB também foi agraciado com uma doação de Adrian.

Outro dado interessantes visto no http://www.excelencias.org.br foi a quantia que o deputado recebeu da Câmara como verba indenizatória (gasto com aluguel, consultoria, diversos e transporte/estadia) foi de R$ 235.706,88. O mandato do deputado tem saído bem caro aos cofres públicos.

Nesse contexto vale também refletir sobre as ações do deputado nas dois principais debates que correram pela Câmara de Deputados.

A primeira diz respeito a CPI da Cachoeira e as sinistras ligações entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira, diversos políticos e a empresa Delta Construções. O deputado Adrian Mussi não assinou o pedido de CPI, por que será que o deputado não gostaria que se abrissem investigações sobre o tema. O que mais implica a CPI para o nosso Estado, pelo menos até agora, são as íntimas ligações da Delta com governo do Estado, seu super crescimento após 2009 com contratos bilionários e grandes obras como a reforma do Maracanã e construção da transcarioca. Seria por que em Macaé tem uma obra milionária da Delta? Uma obra orçada em 17 milhões de reais, na orla de Imbetiba, que segundo ouvi de alguns macaenses uma obra desnecessária e que irá descaracterizar um espaço histórico da cidade. Perguntas que deveriam ser respondidas.

A outra questão é sobre a aprovação do Código Florestal essa semana na Câmara de Deputados. O texto aprovado é um horror! Concede anistia aos desmatadores, desregulamenta áreas de preservação, entre outros malefícios com o meio ambiente. Aqui em Macaé uma cidade com bonitas praias uma região serrana apaixonante é, no mínimo de se preocupar, ter um representante local que não se importa muito com a preservação do meio ambiente. Deve ser por isso que o parque municipal da praia do pecado nunca saia, que não se altera o gabarito dos prédios ao redor dessa mesma praia, ações como essas somente favorecem aos que especulam imóveis e terras em detrimento à um cartão postal que deveria ser patrimônio da humanidade. Por esse caminho os mesmo pensam em construir um porto no Lagomar que traria um impacto profundo e negativo ao ecossistema do local. Enfim pesquisando eu descobri pelo site http://www.excelencias.org.br , que traz a ficha dos parlamentares eleitos no país, que o deputado É alvo de ação de execução fiscal movida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis:TRF-2 Seção Judiciária de Rio de Janeiro – Processo nº 0005421-49.2003.4.02.5116 .

Macaé é uma das cidades mais ricas do Estado do Rio de Janeiro a outrora princesinha do Atlântico é agora a capital nacional do Petróleo. Além de ser a principal base de operações da Petrobrás atrai inúmeras empresas multinacionais do ramo e outras tantas prestadoras de serviços. O município passa por um acelerado processo de urbanização impulsionado pela riqueza do petróleo.

A disputa eleitoral por aqui já começa a esquentar. Apesar de ter chegado recentemente em Macaé, começo a compreender um pouco dos acontecimentos. Tenho estudado os elementos, os partidos e as movimentações políticas no intuito de entender os processos locais por isso resolvi dividir essas reflexões neste espaço para melhor exercer meu papel de cidadão. Nos próximos versarei sobre os outros postulantes.

*Matheus Thomaz é assistente social e articulista do jornal O Polifônico.

Comentários desativados em As eleições vem chegando

Antecipando o atraso

Posted in Cidade, Eleições 2012, Notas, Política by ImprensaBR on 01/05/2012

Amigos, uma fonte segura me informou que Sabino já está com todo o material da campanha pronto guardado num galpão aqui na Rodovia do Contorno. Folheteria, plano de governo impresso, painéis, banners… faixas… Só falta definir o vice. vc ainda acredita que teremos uma disputa eleitoral em Rio das Ostras. Já tem gente ganhando uma vaguinha em futuras secretarias, cargos na alerj e por aí segue o cordão… da folia eleitoral nesta roça litorânea. acorda trabalhador de Rio das Ostras, acorda eleitor de Rio das Ostras. Sabino já está eleito, não há disputa!

LB

Comentários desativados em Antecipando o atraso

Panorama das eleições municipais de Armação de Búzios

Posted in Eleições 2012, Política, Região by ImprensaBR on 19/04/2012

Panorama das eleições municipais de Armação de Búzios

Os mais de 20 mil eleitores de Armação dos Búzios (Região dos Lagos), de acordo com dados do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro (TRE-RJ), terão de escolher seu prefeito apenas pela quinta vez. O município emancipou-se de Cabo Frio apenas em 1995. Desde então, dois dos candidatos no pleito de 2012 foram os chefes do executivo local.

O atual prefeito, Mirinho Braga (PDT), que governa o município pela terceira vez, e Toninho Branco (sem partido), que comandou a cidade entre 2004 e 2008, disputarão o pleito ao lado de outro ex-prefeito, este de Araruama, Francisco Ribeiro; João Carrilho (PSC), um empresário local; e Evandro da Costa (PR), vereador mais votado de Búzios, e que desfruta de seu terceiro mandato consecutivo.

Delmires de Oliveira Braga, o Mirinho (PDT)

Conhecido como Mirinho, foi o primeiro prefeito da história de Búzios. Sua vida política começou 1992, quando foi chefe de gabinete do então prefeito de Cabo Frio, José Bonifácio Novelino. Em 12 de novembro de 1995, quando Búzios emancipou-se, ele assumiu a administração da cidade como sub-prefeito, até o ano seguinte, quando foram realizadas as eleições municipais.

Mirinho está em seu terceiro mandato, tendo vencido as eleições de 1996, 2000, e 2008, mandato este que ainda exerce. Em 2012, o pedetista que reeleger-se pela segunda vez.

Francisco Carlos Fernandes Ribeiro (PSC)

Francisco Carlos Fernandes Ribeiro, hoje conhecido como Chiquinho da Educação, ou do Atacadão, trilhou toda sua carreira política no município de Araruama, também na Região dos Lagos. Nesta cidade, onde é próspero comerciante, tentou a sorte em um pleito eleitoral pela primeira vez. Em 1995, candidatou-se a prefeito, quando foi derrotado. Na disputa seguinte, em 2000, obteve o maior número de votos e sagrou-se chefe do executivo da cidade. Em 2004, foi reeleito para outro mandato.

Neste ano, em vez de buscar eleger-se para mais um mandato em Araruama, transferiu seu domicílio eleitoral para Armação de Búzios, onde aparece com um dos possíveis candidatos a suceder o atual prefeito Mirinho Braga.

João Carrilho (PSB)

Empresário de Búzios, sua empresa é responsável pelo aterro sanitário da cidade. O filho, João de Melo Carrilho, é o atual presidente da Câmara Municipal de Armação dos Búzios. Com estas credenciais, ele tentará um cargo político pela primeira vez.

 Evandro Oliveira da Costa (PR)

Atual vereador de Armação dos Búzios, tendo sido eleito com o maior número de votos, Evandro aparece com ferrenho opositor do prefeito Mirinho Braga, de quem já foi aliado.

Vereador pelo terceiro mandato seguido, tentará, pela primeira vez, ser o chefe do Executivo local.

Toninho Branco (sem partido)

Única pessoa, além do atual, a exercer o cargo de prefeito de Búzios. Elegeu-se em 2004, pelo PMDB. Foi derrotado por Mirinho Braga em 2008, quando tentou a reeleição.

Fonte: JB

Comentários desativados em Panorama das eleições municipais de Armação de Búzios

Eleitores devem ficar atentos ao prazo de regularização do título

Posted in Eleições 2012 by ImprensaBR on 14/04/2012

Cerca de 136 milhões de eleitores devem ir às urnas no dia 7 de outubro para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos mais de 5,5 mil municípios do país. A Justiça Eleitoral brasileira definiu o dia 9 de maio, seis meses antes das eleições municipais marcadas para outubro, como prazo final para fazer o alistamento eleitoral, a transferência de domicilio e a regularização do título de eleitor.
Para evitar filas e aglomerações que devem ocorrer no período final, os eleitores devem procurar o Cartório Eleitoral de Rio das Ostras, no Fórum da cidade, a fim de agilizar a regularização do documento.
O alistamento eleitoral é obrigatório para os maiores de 18 anos e facultativos para os analfabetos e jovens entre 16 e 18 anos – quem completar 16 anos até 7 de outubro pode votar nas eleições 2012. Já a transferência do título deve ser feita pelo eleitor que mudou de residência.
Documentos necessários para emissão do 1º título
Identidade, comprovante de residência recente e comprovante de quitação militar para homens entre 18 e 45 anos.
Documentos necessários para transferência do título
É necessário que o eleitor resida há, no mínimo, três meses na nova residência e já tenha completado um ano de sua inscrição ou última transferência para solicitar um novo recurso. Identidade, comprovante de residência recente, título de eleitor, os comprovantes de votação ou justificação de eleições anteriores.
Documentos necessários para regularização do título
Documento de identidade, título de eleitor e comprovante de endereço recente.

Comentários desativados em Eleitores devem ficar atentos ao prazo de regularização do título

Opções de voto nas eleições 2012 em Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012, Política by ImprensaBR on 14/04/2012

Por LB

Não é necessário ser analista político para saber que uma disputa eleitoral polarizada não alimenta a democracia de um povo. Em Rio das Ostras, temos visto a oscilação do mesmo grupo de políticos à frente do poder desde a emancipação do município.
Mais um ano eleitoral se inicia, e mais uma vez o eleitor riostrense pergunta: Quem são os candidatos que disputarão o governo local? Será que a cidade sairá da medíocre situação de não ter mais que um grande grupo político coordenando a disputa pela vaga no Executivo como vimos acontecer nas últimas quatro eleições municipais da cidade?
Ao que o cenário indica, sim, mas ainda há pouca concorrência quando se trata de disputa eleitoral na cidade. Até onde sabemos, seriam hoje pré-candidatos ao governo municipal o ex-prefeito Alcebíades Sabino; o presidente da Câmara de Vereadores de Rio das Ostras, Carlos Afonso; o empresário do ramo imobiliário e advogado Dr. Castro, e o morador de Jardim Mariléa, Zezinho Salvador, empresário da cidade.
Algumas alianças já estão sendo articuladas desde 2010, quando muitos boatos começaram a circular na cidade. Nesse tempo ouvia-se dizer pelas ruas que Zezinho Salvador seria vice na chapa de Sabino, que Carlos Afonso seria o candidato da situação, e que Garotinho (PR) investiria pesado para eleger uma pessoa de sua confiança na cidade, visando preparar o terreno para o cenário eleitoral de 2014. Garotinho precisa dissolver mal entendidos com o governador Sérgio Cabral e para isso investe não apenas em Rio das Ostras, mas em muitos municípios do interior do estado para angariar votos, fazendo surgir em nossa cidade o terceiro nome na disputa eleitoral para a prefeitura, o do Dr. Castro, o Defensor do Povo da Rádio 87.9 Novo Rio FM – Programa Fala Cidade. O Presidente do PR de Rio das Ostras tem relações íntimas com Anthony Garotinho – Deputado Federal mais votado no estado do Rio nas eleições de 2010 e o terceiro mais votado em Rio das Ostras nesse ano.
Suplente na Câmara Legislativa atualmente, Zezinho foi eleito com 799 votos pelo PMDB nas eleições municipais de 2008, partido pelo qual iniciou sua trajetória na política. Hoje, líder do PSDC na cidade, tem dialogado com outras frentes, já apertou a mão de Gelson Apicelo e do Broder, mas segundo articulistas políticos de Rio das Ostras, ele entregará a candidatura na hora final, já que teria percebido no processo eleitoral um mote para angariar fundos para seus próprios cofres. Isso mesmo, muitos têm comentado na cidade que há possibilidade dele vender sua candidatura lá na frente.
Carlos Afonso, ao que tudo indica, vai apoiar Sabino e isso elimina mais uma vaga na disputa eleitoral 2012 em Rio das Ostras.
Segundo os mesmos articulistas políticos, o único que não pretende vender sua candidatura nem tampouco apertar a mão dos “políticos de carreira” de nosso município é o Dr. Castro, que se apresenta como pré-candidato pela primeira vez.

Comentários desativados em Opções de voto nas eleições 2012 em Rio das Ostras

Ficha Limpa chega a Rio das Ostras

Posted in Cidade, Eleições 2012, Política by ImprensaBR on 14/04/2012

Ex-prefeito que tentará a reeleição em outubro está fora da disputa, segundo a nova lei

Por LB

Como todos sabem e a imprensa exaustivamente noticiou, em fevereiro último, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a validade da Lei da Ficha Limpa, que já vale para as eleições municipais deste ano. Com a decisão, políticos cassados que renunciaram ao mandato para fugir do processo de cassação, e os condenados criminalmente por órgão colegiado estão inelegíveis por oito anos.
Parece que tudo está muito claro e pronto para funcionar nas eleições deste ano, mas, na prática, ainda há muito obscurantismo em torna da lei. O debate no Supremo que validou a lei foi cercado de controvérsias. O presidente da Corte, ministro Cesar Peluso, voto vencido na decisão pela aprovação da lei, argumentou à época, “que não é possível tornar inelegível alguém condenado em órgão colegiado que ainda pode recorrer da decisão”. Peluso não aceitou, como prevê a Lei da Ficha Limpa, que a condenação por órgão colegiado “jubile” o candidato por oito anos da vida política, mesmo antes de esgotados todos os recursos do acusado.
Embora muita gente esteja otimista com a aprovação da lei, que parece trazer nova esperança para o eleitor brasileiro, na prática o que se percebe é que o processo eleitoral será cercado de dúvidas, controvérsias e questionamentos jurídicos. Haverá dúvidas dos candidatos, dos partidos, dos jornalistas, da população e, em última instância, da própria Justiça, que ainda parece pisar em ovos quando o assunto é a Lei da Ficha Limpa.
Em Rio das Ostras, a população vem sendo enganada pela mídia, que vende a pré-candidatura de um ex-prefeito da cidade sem elucidar o cidadão que este não poderá fazer parte do processo eleitoral deste ano, pois está condenado pela Ficha Limpa.
Há todo um engendramento para postergar a informação correta, pois assim o povo fica confuso e acreditando que o ficha suja ainda é ficha limpa. O cenário é confuso mesmo e nem os próprios partidos sabem o que fazer: arriscar inscrever um ‘candidato forte’, mas na berlinda, ou apostar num outro nome com capital eleitoral mais modesto, mas com a ficha limpa?
Isso também acabada deixando os adversários dos possíveis fichas sujas reticentes. Estão apreensivos para saber se terão que enfrentar seus rivais nas urnas ou a própria Justiça vai poupá-los do embate?
Lei tem pontos contraditórios, que podem facilitar o político ficha suja
Entre os principais pontos da lei referendados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) estão a decisão de que a lei se aplica a renúncias, condenações e outros fatos que aconteceram antes da ficha limpa entrar em vigor, em junho de 2010, e proibição de candidatura nos casos de renúncia de cargo eletivo para escapar de cassação.
O STF também entendeu que os políticos condenados por órgão colegiado devem ficar inelegíveis por oito anos a contar do prazo de condenação. Assim, um candidato que for condenado a uma pena de cinco anos, ficará inelegível por 13 anos. O candidato que tiver sido condenado por órgãos profissionais, nos casos de infrações éticas, e forem proibidos de exercer a profissão, também serão considerados inelegíveis.
Contudo, as mudanças na legislação eleitoral com a regulamentação da lei da ficha limpa facilitou a vida de muitos políticos ficha suja. Isso porque, antigamente, bastava o TCE dizer que o erro era insanável para o candidato se tornar inelegível. Com a mudança na decisão sobre a aprovação das contas o conselheiro terá que ter declarado que o político cometeu um “ato doloso de improbidade administrativa”, o que não acontecia, facilitando a vida de quem foi condenado.
Outra facilidade encontrada está nos casos de improbidade administrativa. Antes da aprovação da lei, o condenado por improbidade administrativa já era considerado inelegível. Agora, o condenado deve ter no julgamento duas considerações: ato doloso de improbidade administrativa e declaração de que o réu foi condenado à suspensão de direitos. Isso possibilitou novas possibilidades de defesa, facilitando para quem está por ela atingido.
Entenda
Com a aprovação da Ficha Limpa, fica inelegível, por oito anos a partir da punição, o político condenado pelos crimes de compra de votos, fraude, falsificação de documento público, lavagem e ocultação de bens, improbidade administrativa, entre outros.
O ex-prefeito de Rio das Ostras foi acusado pelo Ministério Público de abuso de poder econômico e suposta compra de votos nas eleições que o tornou pela primeira vez deputado estadual, em 2006. O fato também foi muito divulgado na imprensa regional e envergonhou a população e seus eleitores mais fiéis. A compra de votos aconteceu não em Rio das Ostras, mas em Silva Jardim, onde a polícia encontrou em uma casa farto material que seria utilizado na chamada ‘boca de urna’, uma lista de nomes de eleitores e dinheiro. O político foi condenado pelo TRE, mas escapou da punição no TSE. Vale o destaque de que o ex-prefeito do município de Silva Jardim, Antonio Carlos de Lacerda também está condenado pela lei da ficha limpa este ano. Coincidência? Por que seria?
Sociologicamente, ex-prefeito de
Rio das Ostras é Ficha-Suja
Muitos ainda defendem o nome do político que fez Rio das Ostras crescer desordenadamente durante oito anos. Mas onde fica a ética desses eleitores, o bom senso, a capacidade crítica, já que estão saindo em defesa de um homem que deveria ter vergonha de se colocar candidato a qualquer cargo público tendo tantos processo de improbidade administrativa recaídos por cima de seus ombros?
Em 2010 uma promotora de justiça fez uma observação interessante sobre o caso do ex-prefeito em questão, dizendo que ainda que ele tivesse escapando da lei da Ficha Limpa, sociologicamente seria um exemplo de político ficha suja, já que acumulava diversas ações judiciais que feriam sua moral como um homem público.
À época, o referente político respondia a diversos processos relativos a irregularidades cometidas durante sua presença no Executivo municipal. Os mesmos referiam-se a possíveis irregularidades como má gestão do dinheiro público, fraude em licitações e compra de medicamentos com valores superfaturados.
Quem vai aderir a
Lei da Ficha Limpa
Deputados estaduais de alguns Estados, bem como vereadores de vários municípios brasileiros estão tentando fazer com que os efeitos da Lei Complementar 135 (Lei Ficha Limpa) para os candidatos a cargos eletivos sejam aplicados aos ocupantes de cargos públicos.
Alguns estados já têm a lei em vigor, mas recentemente a discussão chegou a São Paulo, o intuito é barrar as futuras nomeações públicas que se encaixarem nos casos de políticos condenados em segunda instância, cassados ou os que renunciaram para se livrar da cassação.
No caso do estado: A lei impedirá a entrada de secretários, diretores de autarquia e servidores nomeados para cargos de confiança no Executivo condenados em segunda instância. O texto ainda será analisado juridicamente.
No caso da cidade: A Lei da Ficha Limpa seria aplicada a todos os agentes públicos do Executivo e Legislativo nomeados pelo prefeito ou vereadores.
Será que a moda vai pegar em Rio das Ostras?

Comentários desativados em Ficha Limpa chega a Rio das Ostras

Rio das Ostras, acorda!!! Picciani vem aí! PMDB divulga nominata para pleito 2012 na cidade

Posted in Cidade, Eleições 2012, Notas, Observatório da Imprensa Local, Política by ImprensaBR on 14/01/2012

O serviço de clipping d’O Polifônico funciona quase… 24 horas…

No Plantão deste sábado, vejam vocês, leitores d’O Polifônico e do Observatório da Imprensa Local , encontramos saindo do forno… mais uma para o bafão do verão 2012 em Riodas… depois do carnaval… os foliões serão pierrôs… erros… erros.. erros…

A imprensa polifônica está de olhos atentos à propagenda eleitoral feita irregularmente.

Fiquem de olho também!

O texto abaixo foi extraído do site do pseudo jornal Fala Rio das Ostras.

Em Rio das Ostras,Falta de outros candidatos e desunião das oposições.

Leva Dep SABINO a ter vantagem no início da corrida eleitoral para prefeito de Rio das Ostras.

O PMDB de Rio das Ostras precisa urgentemente marcar uma reunião com seus pré-candidatos, com seus militantes e com sua executiva para ser tratado uma estratégia nas próximas eleições . O PMDB é o pa…rtido que tem a prefeitura, se olharmos pelo dia a dia da rua , o governo pode não ser ótimo, mas , também não é péssimo. A figura do prefeito ….., quem tinha que vir a público explicar o índice dele, é a secretaria de comunicação e minha amiga querida Lilian , que é dona da agência de publicidade da prefeitura. E mesmo assim somos o maior partido de Rio das Ostras. Temos três vereadores eleitos : Vereador Neco, mesmo de uma eleição para outra, perdendo mais de quinhentos votos , pode vir a ser o puxador de legenda; Vereador Robinho, mesmo perdendo alguns aliados de muita importância nas campanhas anteriores, continua trabalhando firme para recuperar a perca;Vereador Ademir da farmacia , é um outro quadro, segundo dados está meio atrapalhado sobre imóveis que alugou para a prefeitura, pode vir a ter dificuldade. Na chapa de pré-candidadtos do PMDB, temos a secretaria Rosemarie , mais ao mesmo tempo dois grandes aliados dela irão ser canditados; a Fernanda do ancora sai pelo PPS ; o Kadu é a aposta jovem do PMDB de Rio das Ostras, e vai ter o apoio do Marcos Vinicius, filho do governador Sérgio Cabral. Temos o Alan machado fazendo um belo trabalho no turismo, mas vem de duas derrotas, entretanto é uma pessoa do bem.
A chapa dos pré-candidatos já está pronta, queremos imediatamente uma reunião para sabermos que tipo de estrategia utilizaremos para a próxima eleição.

CHAPA DO PMDB:

ADEMIR DA FARMACIA
ALAN MACHADO
APARECIDA VERDAN
BRUNO (EDUCAÇÃO FISICA)
CARLOS FRANÇA
CLAUDIA
CLEUSA
COLONIA
DEYSE
DRª. VERA
DR. FEITOSA
ELZINHA
EMILSON
FABIO (MAR DO NORTE)
FELIPE (AMIGO DE FABRICA)
HUGO MELLO do FALA RIO DAS OSTRAS
IRIS
ISAIAS
VIEIRA
KADU
BAGUEIRA
MARIA LUIZA
MARINS
MARIO
NECO
NEUSA
NIVALDO MARAES
PATRICIA
PEDRO BOMBA
RÉGIO
ROBINHO
RONALDO
ROSEMARIE
SANDRÃO
SONIA POP
MAURICIO RADIO
SR. EDEMILSON
GAÚCHO
VENNI
ZEGUIAR

Comentários desativados em Rio das Ostras, acorda!!! Picciani vem aí! PMDB divulga nominata para pleito 2012 na cidade

%d blogueiros gostam disto: