!@ {o polifônico, [Jornalismo de Intervenção # Por Leonor Bianchi]

Rio das Ostras ganha Selo de má gestão

Posted in Cidade, Notas by ImprensaBR on 13/04/2012

Rio das Ostras ganha Selo Comemorativo dos Correios, mas a cidade ainda não tem entrega de cartas em domicílio em diversos bairros e os servidores dos Correios são mais do que explorados, tendo que atravessar quilômetros para fazer entregas de correspondência de bicicleta. Memória dos 20 anos de uma cidade sem governança. Você ainda está comemorando?

Anúncios

Comentários desativados em Rio das Ostras ganha Selo de má gestão

Rio das Ostras evangeliza na rede

Posted in Cidade, Jornalismo de Intervenção, TV O Polifônico, Videofonia by ImprensaBR on 18/12/2011
Todos os dias clipando as principais notícias sobre Rio das ostras em jornais locais, do estado, do Brasil e até de países de fora, faço a mesma visita a vários sites e agências de notícias.
Há meses venho notando que em uma dessas redes de relacionamento e postagem de vídeos, Rio das Ostras aparece nas buscas sempre através de postagens de congregações evangélicas. Fiquei impressionada com um dos últimos vídeos que uma dessas igrejas publicou.
Quem também colocou um institucional sobre as belezas e atrativos de Rio das Ostras na rede foi o governo municipal, provavelmente através de sua Secretaria de Comunicação Social.
O vídeo – muito bem feito, com tomadas aéreas, imagens feitas de dentro da lagoa de Iriry, fala apenas de coisas boas e tenta vender Rio das Ostras como uma cidade perfeita para quem busca um local para passar as festas de fim de ano.
Perfeita só para quem vem, nada deixa, e volta para casa. Para quem mora aqui, trabalha (ou tenta trabalhar) e viver em Rio das Ostras, a realidade tem sido bastante dura e nada tem a ver com as belas imagens mostradas no tal vídeo institucional.
Sem infraestrutura, a cidade espera receber o dobro do número de sua população – hoje de 105 mil pessoas – durante o período de férias de verão. Novamente teremos problemas como falta de água em vários bairros, corte de energia elétrica… prejuízo para inúmeros comerciantes. Isso sem falar na segurança pública. Se em períodos de baixa temporada a guarnição lotada na praça não dá conta, no verão é que não seria suficiente.
Enquanto a prefeitura tenta vender Rio das Ostras como uma cidade perfeita em um dos maiores sites de compartilhamento de vídeos do mundo, quem mora aqui é colocado em último lugar.
Para saber o que é Rio das Ostras e o que a cidade vem enfrentando desde 2005, leia O Polifônico e veja o canal do jornal no Youtube…
Sobre o crescente número de vídeos postados todos os dias por dezenas de novas igrejas evangélicas instaladas na cidade, isto é mais do que o fim dos tempos! É a comunicação servindo para desinformar, para deseducar, para manipular e emburrecer o indivíduo.
Mais que isso, é o sinal de que pouca ou quase nenhuma produção audiovisual vem sendo produzida em Rio das Ostras.
Será mesmo?
LB

Comentários desativados em Rio das Ostras evangeliza na rede

Domingo é dia de escolher os novos conselheiros tutelares de Rio das Ostras

Posted in Brasil, Cidadania, Cidade, Cultura, Educação, Segurança Pública by ImprensaBR on 01/12/2011
Neste domingo, munícipes de Rio das Ostras escolherão os novos representantes do Conselho Tutelar da cidade.
O jornal O Polifônico desafiou os quase 40 candidatos a elaborarem uma campanha e enviarem ao jornal argumentando por que sentem-se aptos a se candidatarem ao cargo de conselheiros tutelares.
Apenas a candidata Regina Vieira entrou em contato com a redação d’O Polifônico.
Abrimos espaço, então, para divulgar – como teríamos aberto também aos demais candidatos – a campanha da única cidadã candidata ao Conselho Tutelar de Rio das Ostras que se predispôs a dialogar conosco.
LB
O material abaixo foi totalmente redigido e elaborado pela candidata ao Conselho Tutelar de Rio das Ostras, Regina Vieira. (O referente material foi retirado da internet, ainda não sabemos, mas talvez pela própria candidata após o período das eleições do CT. Regina Viera não foi eleita.) 
Participação da população é importantíssima
Votação será para eleger os conselheiros do triênio 2012/2014 No próximo domingo, dia 4 de dezembro, a população vai poder escolher os cinco membros do Conselho Tutelar para o triênio 2012/2014.
O Conselho Tutelar é composto por cinco membros, eleitos pela comunidade para acompanharem as crianças e os adolescentes e decidirem em conjunto sobre qual medida de proteção para cada caso. Devido ao seu trabalho de fiscalização a todos os entes de proteção (Estado, comunidade e família), o Conselho goza de autonomia funcional, não tendo nenhuma relação de subordinação com qualquer outro órgão do Estado.
Importante esclarecer que a autonomia do Conselheiro funcional não é absoluta. No tocante às decisões, estas devem ser tomadas de forma colegiada por no mínimo três Conselheiros, e não apenas por um ou dois deles. No tocante a questões funcionais: fiscalização do cumprimento de horário de trabalho e demais questões administrativas. O conselheiro tem o dever da publicidade ao órgão administrativo ao qual vincula o Conselho Tutelar, assim como é dever e função do CMDCA – Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, fiscalizar a permanência dos pré-requisitos exigidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente aos Conselheiros Tutelares, em especial o da idoneidade moral e residência no município.
As zonais eleitorais estarão aglutinadas em sete locais de votação:
Colégio Municipal Professora América Abdalla
Rua Carlos Viana, s/nº – Nova Esperança
Eleitores que votam nas seções: 01 – 02 – 08 – 09 – 10 – 23 – 24 – 25 – 26 – 27 – 28 – 29 – 30 – 31 – 32 – 33 – 34 – 35 – 36 – 37 – 38 – 39 – 40 – 41 – 42 – 43 – 44 – 45 – 46 – 47 – 48 – 62 – 63 – 64 – 67 – 75 – 77 – 78 – 79 – 81 – 83 – 90 – 95 – 98 – 100 – 101 – 104 – 105 – 107 – 109 – 113 – 140 – 143 – 148 – 152 – 156 – 157 – 158 – 159 – 160 – 168 – 170 – 171 – 181
Escola Municipal Cidade Praiana
Avenida Amaral Peixoto, s/nº – Cidade Praiana
Eleitores que votam nas seções: 11 – 12 – 13 – 14 – 15 – 16 – 17 – 18 – 49 – 50 – 51 – 52 – 65 – 66 – 68 – 69 – 73 – 74 – 82 – 84 – 87 – 91 – 93 – 97 – 99 – 103 – 108 – 112 – 117 – 120 – 122 – 128 – 133 – 134 – 137 – 138 – 141 – 145 – 147 – 151 – 153 – 155 – 161 – 162 – 167 – 169 – 172 – 173 – 179
Escola Municipal Marinete Coelho de Souza
Cantagalo
Eleitores que votam nas seções: 03 – 94 – 110
Escola Municipal Inayá Moraes D’Couto
Rua Frei Galvão, nº 414 – Village
Eleitores que votam nas seções: 70 – 71 – 72 – 80 – 86 – 96 – 106 – 114 – 121 – 131 – 132 – 142 – 146 – 149 – 154 – 164 – 166 – 174 – 177 – 178 – 180
Escola Municipal Francisco de Assis Medeiros Rangel
Rua Bangu, nº 1615 – Parque Zabulão
Eleitores que votam nas seções: 04 – 05 – 06 – 07 – 53 – 54 – 55 – 56 – 57 – 58 –  – 59 – 60 – 61 – 76 – 85 – 88 – 89 – 92 – 102 – 111 – 125 – 136 – 144 – 150 – 163 – 165 – 175 – 176
Escola Municipal Fazenda da Praia
Mar do Norte
Eleitores que votam nas seções: 34 – 35 – 116 – 182
Escola Municipal Henrique Sarzedas
Rocha Leão
Eleitores que votam nas seções: 19 – 20 – 21 – 22 – 127
Saiba quem concorre: 
Nº do candidato|Nome
01|Sandra Santos
02|Mariana Cristina
03 |Robson Huebra
04|Ana Lúcia Clementino
06|Dionéia
08|Andréa
09|José
10|Sandra Caldas
14|Derli Correa
17|Regina Vieira
18|Ramiro Tinoco
19|Alziléa ( Lene)
20|Alcinéia Fernandes de Souza
22|Luciana Alves
23|Prof. Fábio Neves
24|Valdelice
25|Suelen Fragoso
26|Raquel Matos
27|Austriane (Ane)
28|Maristela Gomes
29|Vânia Cruz
30 |Marta Soriano
31|Nanci
33|Tania Maria Peroba e Silva
34|Profª. Ludmila Costa
35|Érica Santos
37|Elidia Trefílio
38|Pastora Marli

Comentários desativados em Domingo é dia de escolher os novos conselheiros tutelares de Rio das Ostras

Rio das Ostras, a cidade que mais cresceu no estado do Rio

Posted in Cidade, Infraesturutura by ImprensaBR on 17/09/2011
Na galeria, fotos feitas por mim no bairro Âncora, esta semana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tagged with: ,

Comentários desativados em Rio das Ostras, a cidade que mais cresceu no estado do Rio

É ou não é falta de respeito à educação?

Posted in Cidade, Educação by ImprensaBR on 09/09/2011
Por Elias Lopes*
Um jornaleco aqui de Rio das Ostras chamado Diário Riostrense, na verdade um meio de providenciar os recados das elites e autoridades desta municipalidade que elas mesmas não se sentem à vontade de veicular, seja por suspeita, falta de legitimidade e até por constrangimento, publicou um artigo intitulado “Falando francamente – é ou não é falta de respeito e educação?” que de tão piegas em seus clichês apelativos e conservadores chega a ser cômico. Aproprio-me aqui do título para parafraseá-lo perguntando: é ou não é falta de respeito à educação? Constatem por si mesmo o que escreve em um dos parágrafos:
“O que esse grupo conseguiu, além de demonstrar sua falta de respeito e de educação? Conseguiram fazer com que as crianças que vinham a desfilar ainda não tivessem a oportunidade de serem vistas e aplaudidas, além de admiradas, por aqueles que decidem os destinos da cidade. Conseguiram que seus pais e mães não tivessem a oportunidade de verem seus filhos recebendo um aplauso ou um cumprimento do prefeito. Talvez, para esse grupo barulhento e deseducado, isto não tenha importância, mas para muitos munícipes humildes, trabalhadores que têm poucas oportunidades de terem algum tipo de reconhecimento na vida um simples aperto de mão ou um aplauso para seu filho ou sua filha que ali desfila é muito. É para ser lembrado por toda uma vida”.
Leiam o texto na íntegra e reparem por si mesmos que o artigo não consegue sustentar uma argumentação sequer sem apelar para um discurso lacônico e vitimizador das crianças, dos nossos filhos, da população humilde, como se o protesto não tivesse a adesão dos nossos filhos e alunos bem como muitos munícipes humildes que não aceitam mais abaixar a cabeça e ser reconhecidos apenas por um tapinha no ombro ou aperto de mão das autoridades. Se não há de fato oportunidades para essas pessoas é porque em grande parte essas oportunidades são trocadas pelo assistencialismo, pelo favorzinho, pelo aliciamento providenciado pelos mesmos que se limitam a dar-lhes um aperto de mão, achando que ainda estão fazendo muito por garantir-lhes pelo menos uma “lembrança na vida”. Essas pessoas não querem tão somente ter essa mísera “lembrança na vida” e por isso lá estavam para se afirmarem como agentes de seu próprio devir. Elas não querem mais ser vitimizadas.
Mas esses garotos de recado não escrevem que o servidor público participou do protesto, sobretudo os professores que estavam presentes na manifestação mas que o autor do artigo por algum motivo “esquece” de mencionar. Não. Definitivamente não pegaria bem qualificar tão “prestigiados” profissionais com os adjetivos utilizados no texto, digo, recado: juvenilidade, deseducados, desrespeitosos; afinal estariam todos supostamente felizes e contentes com o tão esperado plano de carreira – ou seria inesperado, já que saiu na surdina? Deixemos, por enquanto, que tais achincalhamentos se restrinjam aos ambientes de trabalho ou mesmo, pasmem, a uma concentração para um desfile cívico, e não a cargo de um veículo de comunicação de massa, mesmo que este assuma o caráter bajulador de um pueril meio de levar um recadinho aqui, dissimular uma contradição ali; embora esteja cada vez mais difícil ocultá-las, porém menos por incompetência dos manipuladores da opinião (não que sejam lá grande coisa e este jornaleco é um exemplo banal disso) do que das evidências concretas dessas contradições.
De todo modo, não soaria bem se os seus leitores chegassem às “suas próprias conclusões pessoais”, como o próprio recado menciona, que estes trabalhadores estão insatisfeitos uma vez que ele “é tão valorizado” (sic). Como poderia, imaginaria um leitor ao tirar suas própria conclusões (que na cabeça desses leva-e-trás tem que ser necessariamente “pessoais”, pois lhes é inconcebível o horizonte da construção social, que as pessoas possam se unir em torno de um projeto de sociedade comum e mais solidário), este servidor estar descontente de vez que ele acabara de ser “presenteado” com um plano de cargos e salários? Arremedo de plano de carreira este que, na verdade, é um instrumento normatizador ou, antes, disciplinador, para dar uma base de sustentação legal às práticas corriqueiras de desmandos e abusos desta administração para com o servidor público.
Esses garotos de recados não incluem em suas linhas mal redigidas que o servidor público que não se deixa aliciar ou cooptar vem sendo constantemente ameaçado, constrangido, intimidado, qual foi o caso da ameaça sofrida por uma servidora para que a mesma não manifestasse sua insatisfação no ato sob pena de perseguição a um familiar contratado. Ou ainda, não esclarecem à população sobre as ameaças de suspensão que algumas crianças e alunos sofreram por se mostrarem dispostos a acompanhar seus professores no protesto em prol de uma educação pública de qualidade, com real valorização do profissional da educação. Pergunto-me se o nosso leva-e-trás estaria se referindo a essas mesmas crianças no trecho destacado acima ou seriam crianças menos arredias, mais coradinhas e fofinhas, ávidas pelos aplausos e cumprimentos do prefeito? Também não divulgam a perseguição sofrida por nosso colega Gilberlan Souza, que teve uma cessão de Macaé – que lhe permitia exercer um ótimo trabalho como professor orientador cujo desempenho era reconhecido por todos, inclusive alguns dos mais suspeitos, dentro e fora da escola –  revogada por motivo fútil, caracterizando assédio moral e perseguição por simplesmente ter se posicionado contrário a uma normatização que violenta a si mesmo, que penaliza o trabalhador em sala de aula enquanto favorece os cargos comissionados.
Aliás, diga-se de passagem, que esta lógica vai ao encontro da concepção da secretaria de educação de Rio das Ostras dos princípios que norteiam o profissional de educação: 1) o professor é sempre um desqualificado, aquém das suas atribuições, desprovido de discernimento acerca do seu próprio papel na sociedade e para todos os efeitos um ser abjeto – isto ficou claro por ocasião das palestras oferecidas aos professores recém concursados quando lhes eram dirigidos muito mais um tom de exortação do que de acolhimento e receptividade; 2) o professor e demais profissionais da educação que eventualmente se destacam (embora o seja menos por competência do que por uma inclinação para se deixar cooptar) e conseguem superar este suposto estado de letargia e inépcia são “merecedores” de sair das salas de aula, isto é, de serem premiados com cargos comissionados ou com horas extras que nunca são cumpridas na prática por aquele que não possui cargo comissionado, mas que desde já é um aspirante a tal posição, justificando-se tão somente como instrumento aliciador ao pacto de mediocridade predominante, logo, estaria este profissional sujeito a, por fim, se “beneficiar” do plano de carreira. Portanto quem tem cargo comissionado, permuta, cessão, está fora de função, principalmente fora de sala de aula etc. é presa fácil deste mecanismo de cooptação, que se dá na maior parte dos casos ao sabor da conveniência, já que este ideal de promoção torna-se tão consensual quanto mais influente. Qualquer sinal de insubordinação este profissional está passível de punição, ou seja, de voltar para a sala de aula. Quanto ao professor que já está em sala de aula, uma vez que demonstre qualquer discordância com a ordem estabelecida, não tem lá muito como ser “punido” senão ser remanejado para as localidades mais ermas e de difícil acesso. Em todo caso, garantiria-se os meios para que se perpetue nesta condição (a de atuar em sala de aula) que para muitos é o pior cenário imaginável, sendo atribuição dos gestores de plantar-lhe o medo e o receio através de uma disciplinarização intimidadora e coercitiva que atinge o seu grau de sofisticação maior com o atual endosso de um embasamento normativo que consubstancia este plano de carreira. Esta é a acepção de promoção que este plano contempla. Só assim se explica o caráter anacrônico do plano de carreira proposto por esta gestão.
Confesso que me deixei levar pela indignação perdendo o rumo da prosa dada a pouca importância da alegada franqueza do redator do Diário Ostrense diante dos fatos. Mas também não há muito a dizer daqueles recadinhos que não se desdigam por si mesmos. Recuso-me, por exemplo, a tecer maiores comentários acerca da frase “por aqueles que decidem os destinos da cidade”, já que ela se desqualifica por si mesma senão ao próprio autor. Onde arrumam esses caras hein? Não posso chamá-los de cínicos e hipócritas porque seria como elogiá-los. Convenhamos, para sê-lo é necessário mais elegância. Mas não posso evitar destacar sua pretensão em tentar induzir uma opinião, por mais débil que esta seja.
Fica claro porque a educação não é valorizada como se propagandeia neste município, já que do contrário o futuro trabalhador valorizado e consciente de seus direitos e deveres teria ao menos as condições materiais suficientes para não se iludir com os ainda parcos e imediatos ganhos de vencimento em troca de um plano de carreira que garanta de fato o seu bem estar e da sua família, porquanto os benefícios anunciados neste rudimento de plano ora objeto de polêmicas não contemplam uma eventual licença e a merecida aposentadoria após uma vida de trabalho. Assim como também não se deixaria seduzir por qualquer meio de cooptação, como é o caso da já aludida hora extra que, se por um lado, parece complementar o orçamento, por outro, esvazia a dignidade, ainda que menos por não ser cumprida factualmente do que por consistir numa moeda de troca da cumplicidade e da escalada na cadeia hierárquica do poder burocratizado.
Enquanto aos “munícipes humildes”, uma vez que tenham acesso à educação de qualidade, não se contentariam com as “poucas oportunidades”, com meros “apertos de mão” ou certas “conclusões pessoais” a partir de recados mal-disfarçados de artigos de jornalecos provincianos. A despeito da presunção deste tipo de mídia, se é que se pode chamá-lo assim, não foi desta vez que foi dado o “recado”.
Segue abaixo o link com o “recado” supracitado.
http://diarioriostrense.blogspot.com/2011/09/falando-francamente-e-ou-nao-e-falta-de.html
*Elias Lopes, professor de Rio das Ostras.

Comentários desativados em É ou não é falta de respeito à educação?

Aluna da UFF morre após ser atropelada em frente a faculdade. Amigos e estudantes protestam pela falta de sinalização no trânsito, hoje, às 18h

Posted in Cidade, Educação, Segurança Pública by ImprensaBR on 25/08/2011
Por Leonor Bianchi

Este vídeo foi feito a caminho do PURO, no início da noite de ontem, quando eu ia para um encontro sobre o Grito dos Excluídos de Rio das Ostras. Lá, no PURO, tivemos a triste notícia de que a estudante Maria Clenilda havia falecido após ter sido atropelada neste sinal por uma motocicleta. Infelizmente a notícia se antecipou ao fato. Uma hora e meia depois destas imagens, Clenilda faleceu.
A estudante do terceiro período de Serviço Social do Polo Universitário de Rio das Ostras, Maria Clenilda de Moraes Lima Abreu, de 30 anos, foi atropelada por uma motocicleta, na Rod. Amaral Peixoto, ao atravessar para ir à faculdade, na noite de 23 de agosto. Levada para o Hospital Municipal, ela não resistiu e morreu na noite de ontem, deixando um filho de seis anos.
“O descaso do governo municipal, que demorou seis anos para instalar um sinal de trânsito em frente ao Polo, e que vem demorando três meses para ligar o referido sinal, foi fatal. A cidade não conta também com políticas e programas permanentes de educação no trânsito, não adota medidas mitigadoras, preventivas e cautelares antes de as tragédias acontecerem, em um trânsito onde TODOS os dias as pessoas estão morrendo de acidentes, sobretudo motoqueiros e pedestres”, dizem os alunos da UFF, que farão, hoje, às 17h, manifestação em frente ao sinal de trânsito colocado próximo à faculdade.
A partir das 14h, no pátio do PURO, estará acontecendo uma oficina de produção de cartazes, às 17 horas, reunião no pátio, para organização do ATO, que acontecerá às 18 horas.

Coincidências não existem… 

Faixa de pedestre localizada em frente ao Posto de Saúde do Centro conhecido como 'Sal Sal'. Faixas abóboras, cor usada pela PMRO em sua identidade visual. Propaganda ao invés de eficiência e segurança. A faixa em frente ao PURO, colocada recentemente, é idêntica a esta, mas seus semáforos ainda não foram ligados pela Guarda Municipal, que esta semana está em pompas e festas comemorando seus 17 anos e se esqueceu do resto do mundo a sua volta e de uma cidade para administrar.

Ironicamente, esta semana, no mesmo dia em que a estudante foi atropelada, a Secretaria de Comunicação da PMRO enviou à imprensa nacional um release, que reproduzo na íntegra abaixo, ostentando-se da redução de acidentes no trânsito depois de ter pintado as faixas de pedestre de cor de abóbora.
Mas e o semáforo recém-colocado em frente ao PURO? Por que ainda não está funcionando? O fluxo neste trecho é extremamente prioritário, senhor Prefeito!!! A prefeitura se omite diante desta morte. Mais uma em Rio das Ostras. Até quando vamos ter de esperar por um governo sério e honesto, que faça o que deveria fazer, simplesmente, governar. Só tenho visto viagens e fotos. Aliás, a cara do prefeito está péssima, tão ruim e cansada quanto a dos amigos e familiares da estudante Maria Clenilda. Por que foi preciso deixar que este acidente acontecesse para agir?
Vamos apurar o que aconteceu ao motorista que dirija a moto, como estão amigos e parentes e o mais importante, como esta essa criança, seu filho, que agora, sabe-se lá, qual sorte poderá ter.
Leia o release enviado pela Secretaria de comunicação da PMRO esta semana e preste atenção ao último parágrafo. É ou não é uma monstruosidade? Só trabalham no gerúndio ou no futuro do pretérito.
Hoje mais uma pessoa pode morrer atropelada em Rio das Ostras. Cuidado, olhe muito antes de atravessar a rodovia. No meu caso, vou precisar tomar cuidado redobrado, afinal alguns atropelamentos aqui são propositais. É, atropelamentos encomendados… para deixar o indivíduo aleijado, entende? Coisa de máfia mesmo e máfia de mer… Esse tipo de coisa acontece aqui em nossa amada e carente Rio das Ostras, nossa estrela do atlântico… hoje triste e enlutada pelo falecimento da brasileira estudante da UFF PURO, Maria Clenilda.

Release da SECOM

Faixas de pedestres e novos semáforos reduzem número de acidentes em Rio das Ostras
Prefeitura reforça sinalização para dar mais segurança a motoristas e pedestres
Depois de reforçar a sinalização horizontal, com a pintura de novas faixas de pedestres e faixas de controle de tráfego, e vertical, com a instalação de mais placas indicativas e semáforos em diversas vias do município, a Secretaria de Ordem Pública e Controle Urbano de Rio das Ostras fez um levantamento para identificar a estatística de acidentes na cidade. De outubro de 2010 até fevereiro de 2011 foram registrados 19 atropelamentos, na Rodovia Amaral Peixoto; já de março de 2011 até julho, esse número caiu para oito atropelamentos na RJ 106.
Segundo dados da Superintendência de Engenharia e Trafego, a redução em cerca de 50% do número de acidentes com atropelamento se deve à nova sinalização das faixas de travessia, nas cores branca e laranja. Foram pintadas 53 faixas com o objetivo de aumentar a visibilidade e atenção dos motoristas sobre a importância de parar o veículo antes delas para que os pedestres possam atravessar.
Como parte das melhorias no trânsito do município, o secretário de Ordem Pública, Coronel Sérgio Pinto, explica que a Prefeitura tem instalado novos semáforos, em especial nos cruzamentos de vias. Recentemente, seis novos sinais de trânsito foram implantados em várias localidades, entre elas Ouro Verde, em frente à Universidade Federal Fluminense. Até meados de setembro, principalmente os estudantes e professores da instituição passarão a contar com mais segurança na travessia.

Cinema e Educação: Projeto promove Mesa de Debate “Cinema e Educação: a linguagem cinematográfica no processo do construção do conhecimento crítico”

Posted in Cidade, Educação, Videofonia by ImprensaBR on 21/08/2011
“Cinema e Educação: a linguagem cinematográfica no processo de construção do conhecimento crítico”.
Data: 26 de agosto de 2011
Dia: Sexta-feira
Horário: 13:00
Local: Escola Municipal Padre José Dilson Dórea
Endereço: Rua das Camélias, 1015. Bairro Âncora. Rio das Ostras, RJ.
Exibição do documentário “Pro Dia Nascer Feliz”
Debatedores:
Alex Côrtes (Historiador, Mestre em Educação, Cineasta e Doutorando em Psicologia)
 Rodrigo Mac Niven (Diretor do documentário “Cortina de Fumaça”)
Inscrições:
Os interessados devem mandar um e-mail para o endereço deborahfloresta@yahoo.com.br com os seguintes dados: nome completo, instituição na qual atua e telefone para contato.
Mesa de Debate “Cinema e Educação: a linguagem cinematográfica no processo do construção do conhecimento crítico”
13:00 – Abertura
13:30 – Exibição do documentário “Pro Dia Nascer Feliz”
15:00 – Debate sobre a relação cinema e educação, com o Professor Alex Côrtes
16:00 – Debate sobre a função social do cinema, com o documentarista Rodrigo Mac Niven
17:00 – Abertura de inscrições para as perguntas do público
18: 00 – Encerramento e avaliação do encontro
Apoio:
NÚCLEO TECNOLÓGICO MUNICIPAL
GERÊNCIA DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS
ESCOLA MUNICIPAL PADRE JOSÉ DILSON DÓREA

Comentários desativados em Cinema e Educação: Projeto promove Mesa de Debate “Cinema e Educação: a linguagem cinematográfica no processo do construção do conhecimento crítico”

PCdoB Rio das Ostras tem nova Diretoria

Posted in Cidade, Notas, Política by ImprensaBR on 05/07/2011

Eleita a nova Diretoria do PCdoB de Rio das Ostras. A nova composição do diretório do PCdoB de Rio das Ostras foi eleita ontem. A sede do diretório, em Cidade Praiana, recebeu filiados para a Conferência Municipal do partido, que elegeu ainda os delegados que participarão para a Conferência Nacional do PCdoB, em outubro.

Tagged with: , ,

Comentários desativados em PCdoB Rio das Ostras tem nova Diretoria

%d blogueiros gostam disto: